O Processo Organizacional SistêMico Dos Jogos 2010

914 visualizações

Publicada em

1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
914
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Processo Organizacional SistêMico Dos Jogos 2010

  1. 1. O PROCESSO ORGANIZACIONAL SISTÊMICO DOS JOGOS
  2. 2. O PROCESSO ORGANIZACIONAL SISTÊMICO DOS JOGOS <ul><li>É considerado como o processo dinâmico e irreversível que acontece no interior das unidades complexas (jogos), quando se dá a interação entre as estruturas sistêmicas (condições externas, regras, jogadores e suas estruturas motrizes), visando organizá-las. </li></ul><ul><li>O sistema caótico que é o jogo necessita de constantes organizações, perspectivando trazer ordem ao sistema, porém no jogo, sempre que se estabelece uma ordem (solução a um problema), concomitantemente, é desencadeado uma nova desordem. </li></ul>
  3. 3. Jogo sistêmico <ul><li>Se falo ser o jogo um sistema, não posso entendê-lo apenas a partir de suas partes (características), pois os sistemas são totalidades integradas; </li></ul><ul><li>O sistema deve significar um todo integrado cujas propriedades essenciais surgem das relações (INTERAÇÕES) entre as suas partes, inseridos no contexto (AMBIENTE DE JOGO) de um todo maior. </li></ul>
  4. 4. OS JOGOS = unidades complexas <ul><li>Os jogos por analogias, a partir de Morin (2002), podem ser comparados às células (partes que contém o todo) de um corpo organizador maior (um ecossistema , a família dos jogos) </li></ul><ul><li>Portanto, são ao mesmo tempo unidades autônomas e dependentes . </li></ul>
  5. 5. Logo o jogo apresenta… <ul><li>TENDÊNCIA INTEGRATIVA (parcela de dependência parte de algo maior – dependente de interações) </li></ul><ul><li>TENDÊNCIA AUTO-AFIRMATIVA (preserva sua autonomia, basta-se por si - irredutível) </li></ul><ul><li>Obs: Essas duas tendências são opostas, porém complementares (caracterizando-se unidades complexas) </li></ul><ul><li>Exemplo : a rebatida e o futebol – a teia de conhecimentos – competências essenciais na iniciação e na especialização </li></ul>
  6. 6. Matrizes de jogos para a pedagogia do esporte e seu currículo <ul><li>Na iniciação esportiva </li></ul><ul><li>A família dos jogos: escolas de esportes (diversidade de exploração das competências essências na forma geral) </li></ul><ul><li>Na especialização (ênfase na especificidade) </li></ul><ul><li>Jogos conceituais: pequenos jogos </li></ul><ul><li>Jogos conceituais em ambiente específico: grandes jogos adaptados </li></ul><ul><li>Jogos específicos: modelo de jogo </li></ul><ul><li>Jogos contextuais: adaptação conforme competição </li></ul>
  7. 7. A coexistência e a interdependência <ul><li>Desse modo, no jogo PROCESSO E PRODUTO coexistem, o jogador joga o jogo e é jogado por ele numa relação interdependente e complexa, em busca de decifrar a lógica do jogo. </li></ul>
  8. 8. O princípio e o processo organizador Entendendo o padrão organizacional dos jogos
  9. 9. Princípio e processo organizador <ul><li>O jogo, entendido como sistema (uma unidade complexa) é dotado de um princípio e processo organizador , sendo evidenciados em meio a uma cadeia de acontecimentos cíclicos e espiralados, que se repetem sempre em níveis superiores, elevando a complexidade do sistema. </li></ul><ul><li>Ou seja, o jogo proporciona problemas, os quais levam os jogadores a novos patamares de conhecimento à medida que constroem e testam suas soluções (respostas) </li></ul>
  10. 10. O processo organizador <ul><li>Posso dizer então que a ORGANIZAÇÃO gera ao mesmo tempo transformação e formação. A organização forma um todo a partir da transformação de seus elementos, ou seja, o processo de organização dá forma, no espaço e no tempo, a uma realidade nova. </li></ul>
  11. 11. O padrão organizacional sistêmico dos jogos e suas estruturas EMERGÊNCIAS UNIDADE COMPLEXA Condições Externa Jogadores Regras Estruturas Motrizes
  12. 12. Driblinho Cada um por si Bobinho 1 Toque Futebol Pelada Rebatida Chute na trave Embaixadas Chute a gol (A) Gol a gol Chute a gol (B) EMERGÊNCIAS DRIBLINHO Cond. Externas Jogadores Regras Estruturas Motrizes
  13. 13. Acervo de possibilidades de respostas <ul><li>A busca para solucionar um problema no jogo dependerá das regras que regem o jogo, das condições externas (ambiente físico) onde este se realiza, do grau de envolvimento do jogador, evidenciando o estado de jogo - que se lança no jogo se valendo de suas estruturas motrizes anteriores. </li></ul>
  14. 14. EMERGÊNCIAS À PEDAGOGIA DO ESPORTE <ul><li>Entender o processo organizacional dos jogos gera a possibilidade do pedagogo do esporte desenvolver metodologias que privilegiem a formação do aluno/jogador mais inteligente, pois emergem do processo, </li></ul><ul><li>um jogador que: </li></ul><ul><ul><ul><li>Compreende a lógica do jogo (ser inteligente para o jogo) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Desenvolver competência interpretativa </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Gera consciência na ação, e consciência da ação (perspectivando autonomia) </li></ul></ul></ul><ul><li>Obs: Além da contribuição de outras áreas do conhecimento </li></ul>
  15. 15. Pressupostos para a construção de AMBIENTES DE APRENDIZAGEM a partir do jogo: METODOLOGIA DO JOGO
  16. 16. Características pedagógicas do JOGO (1) <ul><li>Tateio experimental (ambiente do jogo) – testar habilidades </li></ul><ul><li>Permite o erro, a criança pode inventar sem risco </li></ul><ul><li>Liberdade de expressão e escolha (LÚDICO) </li></ul><ul><li>Criatividade (imaginação) e troca de conhecimentos (interações sociais) </li></ul><ul><li>Cria situações de desafios (busca constante de superação) </li></ul><ul><li>Caráter imprevisível (gera tensão, atenção) – o acaso (ambiente instável) </li></ul>
  17. 17. Características pedagógicas do JOGO (2) <ul><li>• Envolve uma totalidade e continuidade de ações </li></ul><ul><li>Aproximação da ação e pensamento (tomada de decisão rápida) </li></ul><ul><li>S eu ritmo e harmonia são extremamente cativantes </li></ul><ul><li>Pressupõe metacomunicação (troca de sinais, mensagens, símbolos, desejos e vontades) </li></ul><ul><li>Possibilita aprendizagem social (cultural) </li></ul><ul><li>As regras são flexíveis e construídas coletivamente (por convenção social) </li></ul><ul><li>Exige regras geradas pelas circunstâncias do jogo </li></ul><ul><li>Absorve inteiramente os jogadores (mundo do jogo – AMBIENTE DE JOGO </li></ul>
  18. 18. Ambiente de Aprendizagem Potencializar Aprendizagem Otimizar o Tempo Aprendizagem Significativa
  19. 19. Pressupostos para um “Ambiente de Jogo” REPRESENTAÇÃO Ao trabalhar com o jogo como ferramenta de ensino do futebol, devemos pensar nesses pressupostos para criar os jogos, COM ATENÇÃO ESPECIAL À REPRESENTAÇÃO REPRESENTAÇÃO DESEQUILÍBRIO IMPREVISIBILIDADE
  20. 20. METODOLOGIA PAUTADA NO JOGO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM REPRESENTAÇÃO
  21. 21. “ o homem joga somente quando é homem no pleno sentido da palavra, e somente é homem pleno quando jogo” F. Schiller

×