YAKUTSK - SIBERIA

5.908 visualizações

Publicada em

YAKUTSK - SIBERIA

1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Your presentations bring near us the world. Thanks for showing this frosty corner of the globe. Anna.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.908
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
220
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

YAKUTSK - SIBERIA

  1. 1. <ul><li>Yakutsk é uma cidade remota na Sibéria Oriental (população: 200 mil), famosa </li></ul><ul><li>por aparecer no clássico jogo de tabuleiro Risk (versão do War) e por deter a fama de ser a cidade mais fria da Terra. A cidade mais fria do mundo. </li></ul><ul><li>A 5°C negativos o frio pode ser refrescante. A 20°C negativos a umidade no nariz se congela e fica difícil não tossir. A 35°C negativos a pele exposta ao ar fica dormente e a necrose é um risco. E a menos 45°C ate usar óculos fica complicado. O metal gruda no rosto e nas orelhas e rasga pedaços da pele quando você decide tirá-los. </li></ul>
  2. 3. <ul><li>Sei disso porque acabo de chegar a Yakutsk, lugar onde os amistosos nativos me alertaram para não usar óculos ao ar livre. </li></ul><ul><li>Em Janeiro a média fica em torno de 40°C negativos. A névoa que cobre a cidade restringe a visibilidade a 10 metros. </li></ul><ul><li>Moradores em pesados casacos de pele passam pela praça central, adornada por uma árvore de Natal congelada e uma estátua de Lenin. Logo descobri que, ali, temperaturas na casa dos 40°C negativos são descritas como 'frio, mas não muito frio'. </li></ul>
  3. 5. <ul><li>Sendo assim, antes de me aventurar pela primeira vez nas ruas de Yakutsk, me encapotei com toda uma mala de roupas. </li></ul><ul><li>Eis o que estou vestindo: </li></ul><ul><li>um par e meias de algodão com um par de meias térmicas por cima; </li></ul><ul><li>um par de botas; ceroulas térmicas; </li></ul><ul><li>uma calça jeans; </li></ul><ul><li>uma camiseta térmica; </li></ul><ul><li>uma camiseta de mangas compridas; </li></ul><ul><li>um suéter justo de caxemira; </li></ul><ul><li>um abrigo esportivo; </li></ul><ul><li>um casaco acolchoado de invemo com capuz; </li></ul><ul><li>um par de luvas finas de lã (para que eu não exponha a pele quando tirar a luva externa para fazer fotos); </li></ul><ul><li>um par de luvas de lã; </li></ul><ul><li>um cachecol de lã; </li></ul><ul><li>e um boné, tambem revestido de lã. </li></ul>
  4. 7. Saindo do quarto como se fosse o boneco Michelin, e já suando por causa do sistema de aquecimento do hotel, decido que estou pronto para encarar Yakutsk. Caminho porta afora e... bem, não acho tão ruim. A pequena fresta do meu rosto que está exposta registra o ar frio, mas no geral a sensação é boa, até agradável. Desde que você esteja vestido corretamente, penso eu, não é assim tão ruim. Em poucos minutos, porém, o clima gélido passa a se impor. A pele exposta começa a dar pontadas e depois fica adormecida, o que aparentemente é perigoso, porque significa que o fluxo de sangue para o local parou. Então o frio penetra pela dupla camada de luvas e congela meus dedos. O boné e o capuz tampouco são páreo para os 43°C negativos e minhas orelhas começam a pinicar. Em seguida as pernas sucumbem. Finalmente me vejo com dores agudas pelo corpo todo e tenho de voltar a um ambiente fechado. Olho no relógio. Fiquei ao ar livre por 13 minutos.
  5. 9. Yakutsk é a capital de Yakutia, região que abrange mais de 2.6 milhões de quilômetros quadrados e onde vivem menos de 1 milhão de pessoas. A cidade fica a seis fusos horários de Moscou, mas a viagem leva seis horas num precário avião Tupolev. A passagem custa pelo menos R$1.800 ida e volta, uma enorme quantia num país em que o salário médio é de R$ 930 por mês. Não há ferrovia até Yakutsk. As outras opções são uma viagem de 1,6 mil quilômetros de barco subindo o rio Lena, nos poucos meses do ano em que ele não está congelado, ou então a 'estrada dos Ossos', uma rodovia de 2 mil quilômetros construída por prisioneiros do Gulag (o sistema penal soviético).
  6. 11. <ul><li>Em Yakutsk a maioria dos carros é de importados japoneses de segunda são, que aparentemente resistem melhor ao frio do que os veículos russos tradicionais. </li></ul><ul><li>Ainda assim, os moradores costumam deixar o motor funcionando se vão parar apenas por meia hora, e alguns deixam-no ligado o dia inteiro, durante o expediente de trabalho, para garantir uma temperatura minimamente tolerável na volta para casa. </li></ul><ul><li>A fumaça dos escapamentos contribui para a névoa que paira sobre a cidade. </li></ul><ul><li>A região foi inicialmente conquistada pelos russos na década de 1630. No século 19 era usada como prisão aberta para dissidentes políticos. Anton Chekhov, em sua Jornada de 1890 pela Sibéria, pintou um quadro sombrio da vida dos prisioneiros dali. </li></ul><ul><li>'Eles perderam todo o calor que ja tiveram', escreveu. 'As unicas coisas que lhes restam na vida são vodca, vagabundas, mais vagabundas, mais vodca... Não são mais seres humanos, mas bestas selvagens.' </li></ul><ul><li>Lenin e Stalin foram dois dos presos politicos exilados em Yakutsk. </li></ul>
  7. 13. <ul><li>A região é rica em ouro e diamantes, razão pela qual os soviéticos decidiram transformar Yakutsk num importante centro regional, primeiro com o sistema de trabalho forçado do Gulag, depois colonizando a região com milhares de voluntários em busca de aventura, melhores salários e a chance de construir o socialismo no gelo. </li></ul><ul><li>A megaempresa Alrosa, responsável por 20% da oferta mundial de diamantes brutos, tem sua sede na região. Com o tempo, Yakutsk virou uma cidade de verdade, com hotéis, cinemas, uma ópera, universidades, entrega de pizza e ate zoológico. </li></ul><ul><li>Apesar de os nativos manterem estoicamente seus afazeres e de criancas brincarem na neve da praça central, percebo que preciso de um táxi para continuar minha exploração. </li></ul><ul><li>Os 13 minutos que passei ao ar livre me deixaram sem fôlego, praguejando e cheio de dores, o meu rosto tão vermelho que parece que acabo de voltar de uma semana no Caribe. </li></ul><ul><li>Desabo na cama do hotel e preciso de meia hora para voltar a sentir meu corpo. A parte mais desagradável começa 15 minutos depois, quando as pernas, de volta à temperatura habitual, sentem uma cãibra quente sendo irradiada de dentro para fora, e todo o corpo começa a coçar. </li></ul>
  8. 15. <ul><li>Vou ao mercado, cheio de gente vendendo peixe, porcos e coração de cavalo, tudo congelado. 'É claro que faz frio, mas você se acostuma', diz Nina, uma yakut que passa oito horas por dia de pé na sua banca de peixes. 'Os seres humanos se acostumam com qualquer coisa.' </li></ul><ul><li>Mas ainda assim o nível de resistência é dificil de compreender. Os operários continuam trabalhando na construção civil até os 50°C negativos (abaixo disso o metal se torna quebradiço) e as aulas só são suspensas quando o termômetro cai abaixo de menos 55°C (embora o jardim-de-infância feche com menos 50°C). </li></ul><ul><li>Quase sem exceção, as mulheres se cobrem da cabeça aos pés com peles, muitas delas produzidas ali mesmo. Nesse clima a ética pouco importa. 'Vi na televisão que na Europa existem lunáticos que dizem que não é legal usar pele porque eles amam os animais', diz Natasha, uma moradora de Yakutsk que veste um casaco de coelho e um encantador chapéu de raposa ártica. </li></ul><ul><li>'Deveriam vir para cá para ver se ainda se preocupam tanto com os animais. Aqui você precisa vestir peles se quiser sobreviver.' </li></ul>

×