Vontade de viver Letícia Thompson Nascemos independentes da nossa vontade. Mas a vida é um encanto.  E nos encanta. Os pri...
Então vêm os primeiros nãos.  As primeiras quedas, as primeiras decepções, as primeiras lágrimas que não nos impedem, nem ...
Os amanheceres e entardeceres tornam-se uma e a mesma coisa: enfado.  Nos recusamos a ver a luz do dia, o sol que brilha, ...
E é preciso, nesse momento onde queremos parar mas que a vida não pára, é preciso reaprender a viver.  Não aceitamos nossa...
E reviver.  A pequenos passos, tímidos, lentos, tal qual criança que ainda não viu nada, mas com a sabedoria dos velhos qu...
Ver a luz do dia, olhar nos olhos dos que ficaram e que estiveram do nosso lado mesmo quando estivemos temporariamente ceg...
Tudo pode ter um fim. Mas todo fim pode ser o início de um recomeço.  E a vida continua linda.  E Deus sabe do que precisa...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

VONTADE DE VIVER

460 visualizações

Publicada em

VONTADE DE VIVER

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
460
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

VONTADE DE VIVER

  1. 1. Vontade de viver Letícia Thompson Nascemos independentes da nossa vontade. Mas a vida é um encanto. E nos encanta. Os primeiros risos, as primeiras flores, os primeiros amanheceres, os primeiros anos... as primeiras descobertas. Vamos desbravando a vida e enfrentando o desconhecido maravilhados.
  2. 2. Então vêm os primeiros nãos. As primeiras quedas, as primeiras decepções, as primeiras lágrimas que não nos impedem, nem por isso, de ir em frente. Mas um dia o desconhecido, o inexplicável, pode tirar nossa vontade de viver. As perdas, as grandes, aquelas sem volta que, por mais alto e forte que gritemos, fazem-se de surdas. E a vida perde seu sentido...
  3. 3. Os amanheceres e entardeceres tornam-se uma e a mesma coisa: enfado. Nos recusamos a ver a luz do dia, o sol que brilha, a vida que palpita, os pássaros que cantam e as flores que, teimosas, continuam se abrindo em total indiferença à nossa dor.
  4. 4. E é preciso, nesse momento onde queremos parar mas que a vida não pára, é preciso reaprender a viver. Não aceitamos nossas perdas irreparáveis e absurdas, mas precisamos aprender a viver com elas e apesar delas. E ver a vida com outros olhos. Talvez, reconhecer de vez nossa pequenez diante do desconhecido.
  5. 5. E reviver. A pequenos passos, tímidos, lentos, tal qual criança que ainda não viu nada, mas com a sabedoria dos velhos que já sabem que a vida é um poço de mistérios. E vamos assim, não importa nossa idade, desbravando novamente a vida. Vamos sorrir novamente.
  6. 6. Ver a luz do dia, olhar nos olhos dos que ficaram e que estiveram do nosso lado mesmo quando estivemos temporariamente cegos a tudo o mais. Ver as flores, que nunca desistiram de viver e experimentar o dia-a-dia, novos gostos dessa nova vida que se oferece a nós.
  7. 7. Tudo pode ter um fim. Mas todo fim pode ser o início de um recomeço. E a vida continua linda. E Deus sabe do que precisamos para nos pôr de pé e Ele nos guia, se nos abandonamos a Ele nessa nova chance de recomeçar. Música: Violinos Mágicos - A Lenda do Beijo Montagem: [email_address] www.pranos.com.br

×