SAO PAULO - ANOS 70
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

SAO PAULO - ANOS 70

on

  • 25,341 visualizações

SAO PAULO ANOS 70

SAO PAULO ANOS 70

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
25,341
Visualizações no SlideShare
25,307
Visualizações incorporadas
34

Actions

Curtidas
2
Downloads
72
Comentários
5

3 Incorporações 34

http://www.slideshare.net 32
http://www.facebook.com 1
https://twitter.com 1

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
  • Acho que a boate no fim da consolação chamava-se Opus 2004 e a casa na praça Roosevelt chamava-se Baiuca. Toquei em todas elas, no Cave, no Ton Ton Macoute e no La Licorne...rsrsr..Saudades de São Paulo naquela época. Voltava pra casa de madrugada e nunca sofri nenhum tipo de violencia.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
  • Toquei no Mondo Cane. Era um barato aquele lugar. Bons tempos
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
  • O restaurante da Nestor Pestana era os Vikings... Minha saudosa tia Nair tinha uma escola de modelos na Augusta e foi uma das organizadoras do carpete e um desfile de moda na Augusta carpetada...
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
  • AIR, SÓ HOJE TIVE TEMPO DE VER OS SLIDES DOS ANOS 70 COM CALMA.
    VIVI TUDO ISSO E UM POUCO MAIS!

    EM CRIANÇA, QUANDO VIEMOS DO RIO, MOREI NO IBIRAPUERA (QUE AINDA ERA UM MATAGAL,TINHA ATÉ UMA CHÁCARA NOS FUNDOS DE NOSSA CASA).
    E NA MINHA VIDA ADULTA, POR MAIS DE 30 ANOS, MOREI NOS JARDINS, NO FINAL DA CONSOLAÇÃO (entre Oscar Freire, que era uma ruazinha de casinhas populares, e a Estados Unidos).

    NA AUGUSTA, AO LADO DA HI-FI, TINHA UM BAR CHIQUÉRRIMO CHAMADO MONDO CANE COM DRINKS ENORMES EM AQUÁRIOS.
    TINHA O LONGCHAMPS ONDE SE COMIA NO BALCÃO E MUITO BEM.
    HAVIA O FREVINHO DO BEIRUTE E DO CHOPP, O YARA ONDE A GENTE TOMAVA CHÁ.
    TINHA O CINE MAJESTIC (hoje querem derrubar o cinema sucessor e existe um movimento em SP para tombá-lo).
    MAIS O CINE PICOLINO, E O CINE REGÊNCIA.
    E UM RESTAURANTE DE LUZ DIFUSA (tinha que subir uma escada), CUJO NOME ESQUECI E QUE FICAVA PERTO DO MARACHÁ – o das sessões malditas à meia noite de sábados - RESTAURANTE QUE TODA A “CLASSE TEATRAL” FREQUENTAVA ANTES DA MODA GIGETTO, NA NESTOR PESTANA, CONCORRENDO COM O EDUARDO E SEU GARÇON ALCOÓLATRA, O JARBAS.
    ALI NO CENTRO TINHA O BARROQUINHO, O TON-TON MACOUTE (depois, New Ton-Ton), E AQUELA BOATE BADALADÍSSIMA NO FINAL DA CONSOLAÇÃO CUJO NOME NÃO LEMBRO. NA PÇAROOSEVELT TINHA UM PIANO BAR DE ONDE O DELFIN NETO NÃO SAÍA. (memoriazinha ruim...)
    NA PARTE LOGO ABAIXO DA PAULISTA (direção centro) INAUGURARAM A PRIMEIRA BOATE GAY-CHIC DE SP, A “MEDIEVAL”.
    NA ESQUINA DA ESTADOS UNIDOS, TINHA A PADARIA DO PÃO PULLMAN (o filho do dono estudou comigo no colegial – Química Industrial - no Osvaldo Cruz).
    AINDA TENHO ROUPAS DA PARAPHERNALIA, AINDA LEMBRO DO CHEIRO DA LOJA DO APARÍCIO, A RASTRO.
    COMI MUITA COXINHA DO BOLOGNA.
    O RESTAURANTE DO CONSULADO ESCANDINÁVIO NA NESTRO PESTANA ERA UMA DELÍCIA. ELÁ FOI ENSAIADA A PRIMEIRA PARTE DA MONTAGEM DO ANTUNES,PEER GYNT. NA FRENTE, A TV EXCELSIOR.
    TEVE UM ANO QUE ACARPETARAM A AUGUSTA DE VERMELHO, E PELA MESMA ÉPOCA A RITA LEE DEU UM SHOW NO BALCÃO DA JEANS STORE (da qual ainda tenho duas capinhas de chuva).
    TAMBÉM TINHA O BEKA, ONDE A GENTE IA AOS SÁBADOS DAR UM TAPA NOS CABELOS.
    E, COMO SENÃO BASTASSE, O COLÉGIO PAES LEME TAMBÉM FICAVA NA AUGUSTA!

    NO BEXIGA,O CHIQUÉRRIMO ERA FREQUENTAR O “OTHERO & GONZALEZ”, DA CAROL WHITAKER.

    NA AV.SANTO AMARO FUNCIONOU A PRIMEIRA BOATE A USAR LUZ NEGRA – “HULLABALOU” – ONDE UM BAILARINO CHAMADO VICTOR AUSTKIN DANÇAVA EM UM PRATICÁVEL REDONDO NO MEIO DA PISTA.

    O AUTOR DOS SLIDES TAMBÉM ESQUECEU DOS AMASSOS EM CARROS NO ALTO DO MORUMBI, PERTO DA PORTA DA FAZENDA MORUMBI, ONDE AINDA SE VISLUMBRAVA TODA SÃO PAULO, ATÉ O AEROPORTO. ESSE LUGAR FICOU CONHECIDO COMO “TREPÓDROMO DO MORUMBI”.

    Assim, de momento, só lembrei desses lugares (a memória está quase senil).
    Se lembrar demais alguma coisa, escrevo. E se você conhecer o autor dos slides, passe para ele incrementar essa boa lembrança de uma São Paulo que não existe mais (infelizmente).

    Ósculos & amplexos saudosos.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
  • parabens muito legal mesmo....viajei...no tempo...
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

SAO PAULO - ANOS 70 Presentation Transcript

  • 1. Caso você esteja sem tempo agora, deixe para ver estes slides DEPOIS. Vai iniciar uma viagem de volta aos Não clique com o mouse. Não tecle ENTER. A apresentação vai adiante sozinha. LIGUE O SOM E BOA VIAGEM !!!! Anos 60/70
  • 2. Quem foi adolescente em São Paulo na década de 60/70 provavelmente se lembra da sua infância quando a cidade era assim...
  • 3. ...muito mais humana.
  • 4. As melhores escolas eram as do Estado. O aluno tinha que fazer: Primário , Admissão , Ginásio e no Científico ele tinha aulas de manhã e a tarde .
  • 5. As preocupações dos adolescentes eram: os estudos, os cabelos compridos, conseguir uma calça Lee ou Lewis ( contrabandeada ) – porque elas eram as únicas que desbotavam - e saber aonde seria o bailinho do próximo final de semana, porque neles muitos namoros começavam . A música estava na vida de todos os adolescentes dos anos 60/70.
  • 6.  
  • 7. Comprar LPs na Hi-Fi ou na Cash Box da Rua Augusta era moda As grandes novidades musicais estavam nas Rádios AM . Emissoras FM só se ouvia em sala de espera de consultório de dentista . Estava por fora aquele que não curtisse as exclusividades das Rádios....... .
  • 8. Os cinquentões devem se lembrar da voz marcante de Antônio Celso que estragava as gravações que se tentava fazer nos gravadores de fita de rolo Sony, Akay ou Phillips, quando ele entrava no meio da música “ exclusiva ” dizendo: “ Excelsior ”. aguarde
  • 9. Essa era a maneira irreverente do Big Boy da Rádio Mundial do Rio de Janeiro, quem esquece?
  • 10. Hélio Ribeiro quando traduzia as músicas de sucesso fazia sofrer os corações apaixonados das meninas e deixava ansioso o boy esperando pelo próximo bailinho. aguarde
  • 11. RÁDIO DIFUSORA
  • 12. Vou confessar uma coisa para quem não sabe : música brasileira estava muito por fora naquela época. Isso é tão verdadeiro que Fábio Jr, Cristian, Terry Winter e muitos outros só conseguiam vender uns poucos compactos simples caso as músicas deles fossem gravadas em inglês. Nuóóóóssa !!! Ronnie Von era BOKU-MOKU
  • 13.  
  • 14. Quem não dançou as músicas que vc está ouvindo agora, não viveu as delícias dos bailes iluminados com luz negra, estroboscópica ou globo giratório. A Luz Negra tornava um perigo ir ao baile com roupa branca. E se as meninas usassem peças brancas por baixo da roupa? Minha nossa !!! Era melhor ir pra casa trocar por outra cor pra não passar vexame. O barato era dançar de rostos colados. O rapaz segurava a mão direita da garota colada ao peito dele, corpos juntinhos e só um pedaço pequeno do chão ficava riscado, porque, para dançar quase não se saía do lugar. Baixinho eram ditas as primeiras palavras no ouvido dela e, caso o papo dele fosse bom, quem sabe ela aceitasse um convite pra tomar um HI-FI, uma Cuba ou Daikiri e, para os mais durangos, só restava oferecer uma simples Coca-Cola. Tudo na vida deles dois poderia começar a mudar depois disso.
  • 15. Se a “ mina ” fosse “ regulada ” (= fresca ) ela não deixava o cara chegar muito perto durante a dança. Então o rapaz dançava com as duas mãos na cintura dela e ela, de braços esticados, cruzava as mãos na nuca dele e ficavam distantes. Jaqueta Lee, calça jeans desbotada e mocassim da La Pisanina, assim se vestia o cara quando ele não podia comprar uma calça feita sob medida pelo alfaiate Zequita e usar uma blusa cacharrel . A “mina” usava roupas compradas no Shopping Iguatemi, afinal, ele era o único shopping que existia em São Paulo.
  • 16. Nenhum “boy” resistia quando a “mina” aparecia vestida com mini-saia ou “ macaquinho ” ( que era um shorts bem curtinho emendado com a blusa ) e por cima um casaco “ MIDI ”.
  • 17. YAMAHA RD 350 A VIÚVA NEGRA
  • 18.  
  • 19. Os carros caretas como esse da foto, logo eram transformados. Primeiro eram colocadas rodas aro 13” tala 7”, de magnésio polido na Zunne . Depois era rebaixar bastante a suspensão traseira e um pouquinho da dianteira. Volante Panther , escapamento Kadron, buzina Fiam três cornetas e um toca fitas K-7 Mecca com quatro auto-falantes super pesados. Só faltava reclinar os bancos e “pilotar” só com a cabeça aparecendo na janela, quase sendo possível olhar pela janela de trás. Pronto !!! Já dava para subir e descer a Rua Augusta – toda acarpetada - nos domingos à tarde e trocar olhares com as garotas, afinal, raramente a paquera passava disso. De vez em quando um doce ou sorvete da Brunella também era um programa diferente.
  • 20. Toca fitas K-7 MECCA
  • 21. Naquela época era possível namorar tranquilamente até o sol raiar dentro do carro estacionado no parque do Ibirapuera. O único inconveniente era a Polícia que toda hora passava nas Veraneios Laranja e Preto e as vezes vinha pedir documentos, nada mais além disso perturbava os “ amassos ”. Eram muito ridículos os vidros bolha que os caras colocavam nas “ fusquetas ”
  • 22. A outra diversão era desfilar nossos carros mexidos pela Av. Faria Lima, passando na frente do Rick Store , as vezes tirando um racha no retão do Deck ou então indo tomar umas batidas de frutas num bar chamado “ +1 ”. Não vamos fugir do nosso papo aqui que é a música, porque ela nos remete mais facilmente ao passado. Isso tudo porque Motel só existia o Chatô do Embú e alguns raros drive-ins espalhados por bairros distantes, como o Drive-in Chaparral . Só restava a opção de ir o “ Drive-in do Pobres ” que nada mais era do que estacionar o carro embaixo das árvores do Ibira .
  • 23. Mesmo que o Festival de Woodstock tivesse acontecido entre os dias 15 e 17 de agosto de 19 69 , mas como as informações do mundo chegavam atrasada por aqui, nós só vivemos a influência dele na década de 70, com o Paz e Amor Hyppie. Fita amarrando os cabelos igual a índio norte-americano, camisa estampada com flores, bolsa tira-colo e chinelos em couro cru, uma “marijuana” e enquanto isso......
  • 24. ......em 31.dez.1970 Paul MacCartney solicitava o fim dos Beatles.  
  • 25.  
  • 26. Havia um rock considerado mais “pesado” como o do Led Zeppelin, The Who, Black Sabbath e um rock mais maneiro como dos Rollings Stones, Guess Who, Steepenwolf, Gari Gliter, que se dançava “ solto ”. Era nessa dança “solta” que o cara fazia poses, balançava suavemente o cabelo liso pra depois poder “tirar” a mina pra dançar ” colado ” porque esse era o jeito que mais interessava, tanto pra elas quanto pra eles.
  • 27. Tudo isso podia rolar na Bubuca do Círculo Militar com som ao vivo dos Pholhas ou Memphis. Podia acontecer também na Boate Mirage da Alameda Santos, nos bailinhos com fitas gravadas, promovidos pelos formandos do Colégio N. Sra. De Paula ou pelos alunos da ETI Lauro Gomes de SBC, ao som dos The Bottons. Lá pelas cinco da madrugada, a noite terminava com um café no Aeroporto de Congonhas .
  • 28. AGUARDE
  • 29. Se desejar, fique aí curtindo mais uns minutinhos de boas músicas e lembrando de bons tempos que não vão voltar, mas que eternamente estarão na memória dos felizardos adolescentes dos anos 70, e não esqueça de ensinar para os seus filhos e netos... FALOW ?!