Quando o amor atrapalha  Martha Medeiros Escutei no rádio, semana passada, a entrevista de uma banda de rock.  Ela faz um ...
Idas e vindas, encontros e desencontros, ilusões e desilusões, expectativas e frustrações.  Não quero ser agourenta, mas é...
Lembro uma vez em que uma amiga, na época ainda casada, ficou a fim de rever o ex-namorado, que por sua vez também estava ...
Então eles ficaram, mataram as saudades e, depois, voltaram para suas casas, felizes e intactos.  Quer dizer, mais ou meno...
Já o amor, de fácil, não tem nada.  Ele se alimenta de concessões, ciúmes, planos pro futuro. O amor nos preenche mas tamb...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

QUANDO O AMOR ATRAPALHA

900 visualizações

Publicada em

QUANDO O AMOR ATRAPALHA

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
900
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

QUANDO O AMOR ATRAPALHA

  1. 1. Quando o amor atrapalha Martha Medeiros Escutei no rádio, semana passada, a entrevista de uma banda de rock. Ela faz um som pesado, mas todas as canções – todas – tratam sobre dor de cotovelo. Poderiam ser cantadas pelo Nelson Gonçalves e virar bolero. Eles explicaram pro locutor que as idas e vindas do amor atormentam a vida de todos, e não há por que não cantar isso. Roqueiros também se apaixonam.
  2. 2. Idas e vindas, encontros e desencontros, ilusões e desilusões, expectativas e frustrações. Não quero ser agourenta, mas é nisso que se resume as relações amorosas, a maioria delas. O que não deve desestimular ninguém. Ou é isso, ou nada. Nada. O lado esquerdo do peito vazio. Alguém se habilita? Isso me faz pensar que o amor, tão magnífico, às vezes, atrapalha.
  3. 3. Lembro uma vez em que uma amiga, na época ainda casada, ficou a fim de rever o ex-namorado, que por sua vez também estava casado. Ligou pra ele (na época não tinha internet). “Estou a fim de ver você”. Ele se embaraçou. Ficou a fim também, mas achou que daria confusão, que seria mexer em vespeiro. E ela: "olha, eu não vou entrar na sua vida nem você na minha, portanto, podemos ser carinhosos e soltos um com o outro, sem medo". Tigrona.
  4. 4. Então eles ficaram, mataram as saudades e, depois, voltaram para suas casas, felizes e intactos. Quer dizer, mais ou menos intactos. Quando ela me contou isso, pensei: essa garota ainda vai se machucar. Se machucou? Nem um arranhão. É bem verdade que se separou, mas já está casada outra vez. Tem hoje novos prazeres – e novos problemas, como em todo amor. Diz ela que aquela escapada foi aquilo mesmo: uma escapada. Entretenimento. Fuga da pressão que o amor coloca em nossas vidas. Sem pressão, fica tudo mais fácil. Não tão intenso, não tão espetacular – mas mais fácil.
  5. 5. Já o amor, de fácil, não tem nada. Ele se alimenta de concessões, ciúmes, planos pro futuro. O amor nos preenche mas também nos suga. Perturba. Amedronta. Fragiliza. Inquieta. Ô, coisa bem boa. Mas eta complicação!!!! 00 00 00 00 00 00 00 00 00 00 00 00 00 Música : James Last -Song Sung Blue Montagem : [email_address] www.pranos.com.br

×