Perda Poema de  Leila Marinho Lage Música  Sabor a mi Letra e melodia de Álvaro Carrilho Interpretação Luis Miguel
Jogo a toalha. Estou cansada... Deixo escorregar pelas mãos a vida que nunca vou poder viver. Um telefonema, uma relação q...
Olho pra minha casa e só vejo poeiras. Para os outros está limpíssima...   Tento limpar o que não se vê. As camisolas, cap...
Minha mesa traz o peso dos meus dias. Os óculos em cima da conta de telefone aumentam a lista de nossas conversas.
Dezenas de celulares contando segundos de ligações não atendidas ou eternas meia-horas de frustrantes diálogos.
Perto das contas, o castiçal que enfeitou jantares,  vídeos de tempos bons, jornais que se acumulam  e não serão lidos.
Terminei o que nem comecei. Tentativas em vão de ser feliz.
Audácia de ousar um amor  que nasceu e vai morrer em mim.
Meu lugar agora é perto dos óculos que aumentam o valor das contas, que fazem crescer minha incerteza e meu descaminho.
Passo pelo interruptor, que esconderá meus sonhos, e apago as luzes.
Preciso enxergar melhor... Vou colocar meus óculos, mas eles hoje só me dão a visão, não o rumo.
Amanhã pego aqueles jornais e jogo fora - serão reciclados. Minha vida também...
Formatação Leila Marinho Lage http://www.clubedadonameno.com
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

PERDA

638 visualizações

Publicada em

PERDA

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
638
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PERDA

  1. 1. Perda Poema de Leila Marinho Lage Música Sabor a mi Letra e melodia de Álvaro Carrilho Interpretação Luis Miguel
  2. 2. Jogo a toalha. Estou cansada... Deixo escorregar pelas mãos a vida que nunca vou poder viver. Um telefonema, uma relação que acabou.
  3. 3. Olho pra minha casa e só vejo poeiras. Para os outros está limpíssima... Tento limpar o que não se vê. As camisolas, caprichosamente arrumadas e cheirosas, vão ficar no fundo da gaveta.
  4. 4. Minha mesa traz o peso dos meus dias. Os óculos em cima da conta de telefone aumentam a lista de nossas conversas.
  5. 5. Dezenas de celulares contando segundos de ligações não atendidas ou eternas meia-horas de frustrantes diálogos.
  6. 6. Perto das contas, o castiçal que enfeitou jantares, vídeos de tempos bons, jornais que se acumulam e não serão lidos.
  7. 7. Terminei o que nem comecei. Tentativas em vão de ser feliz.
  8. 8. Audácia de ousar um amor que nasceu e vai morrer em mim.
  9. 9. Meu lugar agora é perto dos óculos que aumentam o valor das contas, que fazem crescer minha incerteza e meu descaminho.
  10. 10. Passo pelo interruptor, que esconderá meus sonhos, e apago as luzes.
  11. 11. Preciso enxergar melhor... Vou colocar meus óculos, mas eles hoje só me dão a visão, não o rumo.
  12. 12. Amanhã pego aqueles jornais e jogo fora - serão reciclados. Minha vida também...
  13. 13. Formatação Leila Marinho Lage http://www.clubedadonameno.com

×