O MAR

1.103 visualizações

Publicada em

O MAR

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.103
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O MAR

  1. 1. Diante da Vida, quem somos?
  2. 2. Diante do Tempo, o que somos?
  3. 3. Diante da Eternidade, o que possuímos?
  4. 4. As ondas do mar continuamente quebram-se nas areias da praia...,
  5. 5. ...- o mar que existiu há muito antes da nossa chegada, e que subsistirá por um longo tempo após a nossa partida.
  6. 6. Nos ocupamos com a nossa rotina, os nossos problemas, as nossas aflições, os nossos ofícios.
  7. 7. Olhamos para a vida como uma batalha constante, - esta vida que levamos, de luta e mais luta...
  8. 8. ...- luta financeira, luta emocional, luta intelectual, etc.
  9. 9. Quantas vezes paramos para ver o mar, para ouvir-lhe a voz...?
  10. 10. Quantas vezes paramos para ouvir a voz do nosso coração, para prestar atenção aos anseios da nossa alma...?
  11. 11. Quão pouco procuramos olhar o vasto mapa da vida. compreender o todo da vida,
  12. 12. E, muitas vezes, por medo de examinar nossa vida a sério, preferimos viver como cegos, sufocados, aflitos, desditosos, triviais.
  13. 13. Revestir a nossa existência com um significado maior é o desafio que o mar expõe diante de nós...
  14. 15. Para observar algo, necessita-se de claridade, de luz. No mundo exterior, se desejamos ver uma flor, necessitamos de luz. É simples observar objetivamente uma flor, desde que haja luz, - artificial ou natural.
  15. 16. Mas o ato de observar torna-se muito mais complexo quando nos voltamos para dentro, onde também necessitamos de claridade, se de fato desejamos observar por inteiro o fenômeno humano.
  16. 17. Para podermos observar adequadamente os nossos anseios, nossas dores, nossas alegrias e nossos pesares, os conflitos interiores, também necessita-se de claridade, de luz.
  17. 18. Privadas de luz exterior, as plantas desfalecem. Sem a luz interior, desfalecerá o nosso espírito...
  18. 20. Cuidar de nossa vida espiritual como quem cuida de uma tenra planta...,
  19. 21. ...de modo que possa florescer e frutificar, produzindo os mais belos frutos:
  20. 22. O amor, a alegria, a paz, a paciência, a bondade, a generosidade, a compaixão...,
  21. 23. ...a confiança, a purificação, o perdão, a justiça, o auto-controle, a gentileza.
  22. 24. Buscar o aprimoramento interior, dia e noite, incessantemente...
  23. 25. De degrau em degrau, seguir em direção ao nosso melhor, rumo à nossa inteireza e ao coroamento do nosso ser.
  24. 26. Purificar um pouco mais a cada dia o nosso coração, de modo que venha a se tornar uma “morada de mistérios eternos”.
  25. 27. “ Ó Filho do Ser! Teu coração é Meu lar; santifica-o para Minha descida. Teu espírito é a sede de Minha Revelação; purifica-o, para que nele Eu possa Me manifestar.” dos Escritos da Fé Bahá’í
  26. 28. “ Bem-aventurados os puros de coração.” Jesus Cristo
  27. 30. Educar as futuras gerações, desde a mais tenra infância, nas leis do Amor e da Compaixão universal.
  28. 32. Ter olhos para o mar...
  29. 33. Ter ouvidos para a Eternidade...
  30. 34. “ Ó Filho do Supremo! Ao eterno, Eu te chamo, mas tu buscas o que perece. Que te afastou de Nosso desejo e te fez buscar o teu próprio?” dos Escritos da Fé Bahá’í
  31. 35. Tema musical: “ Maria Elena”, de Ernesto Cortazar Formatação: [email_address]

×