Deixa-me Olhar o Céu Fátima Irene Contemplo o céu, meu nobre Poeta, Aqui perdida em doce enlevo. Transcendo o tempo e seu ...
Não há saudade neste momento, E nem fantasma de um ser de outrora. É que olhando pro firmamento, Eu sinto Deus, bem aqui, ...
Não há poeira, tampouco ausência, No lugar santo que nos espera. É ter vencido toda a quimera E dar de cara com a própria ...
Não Olhes Para o Céu Solange Rech Não olhes para o céu desta maneira, Assim, tão concentrada como agora. Se esperas o aman...
Só pode olhar o céu, moça, quem queira, Matar saudade de alguém de outrora. De alguém que, estando morto, mais se adora. P...
Pois esse espaço cheio de mistérios, Que se ergue sobre nós com seu encanto, É a face feliz dos cemitérios. Dizem que anjo...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

DEIXA-ME OLHAR O CEU NAO OLHES PARA O CEU

513 visualizações

Publicada em

DEIXA-ME OLHAR O CEU NAO OLHES PARA O CEU

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
513
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

DEIXA-ME OLHAR O CEU NAO OLHES PARA O CEU

  1. 1. Deixa-me Olhar o Céu Fátima Irene Contemplo o céu, meu nobre Poeta, Aqui perdida em doce enlevo. Transcendo o tempo e seu segredo, Só há silêncio .. nenhuma meta!
  2. 2. Não há saudade neste momento, E nem fantasma de um ser de outrora. É que olhando pro firmamento, Eu sinto Deus, bem aqui, agora! Ouço cantiga que me acalanta, Assim perdida nesta visão Da pátria eterna que me encanta Pra onde sigo, querendo ou não!
  3. 3. Não há poeira, tampouco ausência, No lugar santo que nos espera. É ter vencido toda a quimera E dar de cara com a própria essência. Fátima Irene Pinto www.fatimairene.com
  4. 4. Não Olhes Para o Céu Solange Rech Não olhes para o céu desta maneira, Assim, tão concentrada como agora. Se esperas o amanhã, ele demora, Se procuras o amor, ele se esgueira.
  5. 5. Só pode olhar o céu, moça, quem queira, Matar saudade de alguém de outrora. De alguém que, estando morto, mais se adora. Por ter vencido a ausência, o tempo e a poeira.
  6. 6. Pois esse espaço cheio de mistérios, Que se ergue sobre nós com seu encanto, É a face feliz dos cemitérios. Dizem que anjos do cosmo nos socorrem Para, entoando cantigas de acalanto, Levar aos céus os homens bons que morrem. Música : Choral - A Welsh Lullaby Montagem : [email_address] www.pranos.com.br

×