Água : Súplica de Deus Das entranhas da terra Tu nasces,  sois pura,  latente, Brotas das profundezas imponente Jorras reb...
Sois a alegria da seca escandante Que maltrata e mata Quem não te respeitou. Sois a lágrima Que num momento de tristreza, ...
Sois a fonte da vida, Na morte, ressuscitas. Sois o sangue que circula nas veias Do planeta.  Inodora, incolor, Vivificand...
Sois a vertente, o rio, o mar, O oceano que banha os continentes, Sois a água que mata a sede, Que alimenta o corpo e que ...
Sangraram-te até agonizares, moribundo, Num leito barrento, inabitado, que um dia Gerou vidas. Vejo tristemente que desfal...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

AGUA SUPLICA DE DEUS

369 visualizações

Publicada em

AGUA SUPLICA DE DEUS

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
369
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

AGUA SUPLICA DE DEUS

  1. 2. Água : Súplica de Deus Das entranhas da terra Tu nasces, sois pura, latente, Brotas das profundezas imponente Jorras rebelde, mostrando-te voraz.
  2. 3. Sois a alegria da seca escandante Que maltrata e mata Quem não te respeitou. Sois a lágrima Que num momento de tristreza, Deus chorou compulsivamente Pela hipocrisia humana.
  3. 4. Sois a fonte da vida, Na morte, ressuscitas. Sois o sangue que circula nas veias Do planeta. Inodora, incolor, Vivificando o mundo e tudo o que nele existe. Que lanças um grito mudo, no mundo, Para que não te deixem morrer Pois toda a existência morrerá contigo.
  4. 5. Sois a vertente, o rio, o mar, O oceano que banha os continentes, Sois a água que mata a sede, Que alimenta o corpo e que lava a alma. Sois o início da vida e o prolongar da existência. Já não sois tão abundante como outrora. Inconseqüentemente esbanjaram-te E lançaram sobre ti, as porcarias de suas vidas, Dejetos de suas sobrevivências medíocres.
  5. 6. Sangraram-te até agonizares, moribundo, Num leito barrento, inabitado, que um dia Gerou vidas. Vejo tristemente que desfaleces E as águas que brotam de meus olhos Acariciam-te, mas não igual a ti. Choro ao velar-te, num túmulo sem lápide, E contigo desfaleço Pois também contribuí para o teu fim. Catarina A. F. Bankoski Música : Audrey Hepburn - moon river Montagem : [email_address] www.pranos.com.br

×