OBREIROS DA INIQÜIDADE
O dinheiro com seu processo de escravização da mente cristã e a
transformação de muitos pregadores ...
E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.
Jesus Cristo (João 8:32)

2
SUMÁRIO

Capítulo I
CRISTO AB-ROGA O ANTIGO TESTAMENTO............................................................04

Capí...
AB-ROGAR
(Do lat. abrogare.) Termo Jurídico: Fazer cessar a existência ou a obrigatoriedade de (uma lei)
em sua totalidade...
É importante entendermos que conteúdo continha os pactos firmados entre Deus e o
homem antes da lei de Moisés a antes mesm...
que estou fazendo para sempre com vocês e com todos os animais,
13 vou colocar o meu arco nas nuvens. O arco-íris será o s...
aliança de Deus com Moisés no Monte Sinai, diferente das anteriores, assim como o tempo da
graça que foi anunciado em todo...
convivência civil, mas foram também ordenados mais de seiscentos outros mandamentos
subdivididos em leis cerimoniais, trab...
hábitos alimentares, atitudes morais e cívicas, relações patrão-empregado, comportamento na
guerra, contratos conjugais e ...
Sua definição formal é a de ser a compilação da Lei Oral, que foi transmitida por D‘us a Moisés,
no Monte Sinai, tendo sid...
como também a nós. E não fez diferença alguma entre eles e nós, purificando os seus corações
pela fé. Agora, pois, por que...
os Apóstolos garantem, nós Cristãos não temos essa obrigação. Se não temos obrigação,
então, como somos amaldiçoados?
Você...
que não é mais necessário o cumprimento da circuncisão, dízimo ou de qualquer outro preceito
do Sinai.
A alegoria feita pe...
vendo tão grande fé daquele homem, envia um anjo para comunicá-lo que ele não precisava
mais sacrificar seu filho (Gn. 22:...
A controvérsia sobre a obrigatoriedade ou não do pagamento do dízimo deve se
expandi, isso no intuito de traçamos uma séri...
Sabe-se que se trata de uma prática muito antiga, mas continuamos sem saber qual
povo iniciou este costume ou obrigação, e...
1. CONCEPÇÃO DE DÍZIMO NA IGREJA CRISTÃ MODERNA.

Depois de entregue o
dízimo na congregação,
automaticamente se abre
a ja...
4:25), pois o cristão está isento da Antiga Aliança devendo permanecer na doutrina apostólica
(At. 2:42).
O gráfico acima,...
cristã, e neles não consta a doutrina ou cobrança do dízimo. Se para os Mórmons cairá
maldição sobre eles, caso não paguem...
Através deste ato legal o povo de
Israel receberiam bênçãos para à
agricultura, pois todos os serviço
do Templo seriam fei...
realmente significa o dízimo na Lei de Moisés e vários objetivos deste mandamento legal. Bem,
esta foi deturpada na igreja...
Há muitas leis relativas ao maasser (dízimo) inclusive relativas ao plantio e colheita da terra em
Israel

que

vigoram

a...
descendentes de Aarão, para o altar. Aos levitas, que desempenham suas funções em
Jerusalém, entregava o dízimo do trigo, ...
Ouríves: II Cr. 2: 7; Ne. 3: 8; Is. 40: 19;
Oleiros: Jr. 18: 2;
Pedreiros: II Rs. 12: 12 - 22: 6; I Cr. 14: 1; Ed. 3: 7;
P...
é aquela em que o doador desconhece a quem doa e quem recebe a doação nem imagina
22

quem lhe fez a doação . (grifos noss...
Expressão usada para designar: depósitos (celeiros, câmaras) no Templo de Salomão em
Jerusalém, onde deveriam ser guardado...
A ―casa do tesouro‖ localizava-se no Templo23 do Senhor em Jerusalém, construído por
Salomão24: “... Dos átrios da casa do...
guardar os dízimos e ofertas, mas somente os levitas poderiam receber os dízimos e o cuidado
das câmaras (II Cr. 31:11 seg...
nesta parte que os cambiadores tinham as suas mesas e que os comerciantes vendiam o gado destinado
aos sacrifícios, Mt. 21...
Esse templo era único e de uso exclusivo dos judeus, não se permitia à entrada de
estrangeiros (gentios), sendo sentenciad...
dízimos dos frutos, que devia ser entregues aos levitas na época do Templo, numa jornada
festiva‖27. Você crer que Deus ha...


Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha
casa...(Bíblia Sagrada. Versão Revista e C...
O próprio João Ferreira de Almeida, primeiro tradutor da Bíblia para o português, evitou
usar a expressão ―casa do tesouro...
igreja: ―E disse-lhes: Está escrito: A minha casa será chamada casa de oração – mas vós a
tendes convertido em covil de la...
1º- ―Quando ele afirma 'o dízimo deve ser entregue na casa do Tesouro, isto é, na Igreja de
Jesus Cristo...‖ Podemos perce...
O teólogo, ainda é categórico em julgar, considerando pecado o cristão que administra o
seu próprio dízimo. As doutrinas c...
Muro das Lamentações foto: www.paises-asia.com

E caso existisse esse templo, nós como estrangeiros não poderíamos entrar,...
principalmente qual apóstolo havia pagado ou cobrado o dízimo e, se Cristo manda cobrar
dízimo? A resposta que recebi foi:...
Capítulo IV
MALAQUIAS - O PESO DAS PALAVRAS
DO SENHOR CONTRA ISRAEL
MALAQUIAS
Nome de um profeta, escritor do ultimo livro...
As maldições proferidas pelo profeta correspondem única e exclusivamente ao povo
hebreu, não só aos dízimos, mas a qualque...
No primeiro capítulo de Malaquias, percebemos o povo de Israel desonrando o nome do
Senhor, em virtude de oferecerem ofert...
Malaquias - Cap. 3
Precursor de Cristo - o anjo que prepararia o caminho do Senhor; o Senhor virá como
fogo e purificaria ...
tal ―devorador‖ mencionado em Malaquias, mas a igreja ―cristã‖ moderna insiste em adotar o tal
devorador para aterrorizar ...
O modo como viveu esse personagem, é a prova fiel e incontestável do fim das
ordenanças do mosaísmo. Repudiou o seu própri...
Dízimo: Obreiros da iniquidade
Dízimo: Obreiros da iniquidade
Dízimo: Obreiros da iniquidade
Dízimo: Obreiros da iniquidade
Dízimo: Obreiros da iniquidade
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Dízimo: Obreiros da iniquidade

2.127 visualizações

Publicada em

Um relato fiel sobre as verdade do dízimo que muitos não querem que você saiba.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.127
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
52
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dízimo: Obreiros da iniquidade

  1. 1. OBREIROS DA INIQÜIDADE O dinheiro com seu processo de escravização da mente cristã e a transformação de muitos pregadores “cristãos” em obreiros da iniqüidade . Maasser Decimu $ $ Francisco Adrian Márcio de Souza Defensor do Verdadeiro Cristianismo adrianmarcio80@gmail.com Maio/2005 1
  2. 2. E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Jesus Cristo (João 8:32) 2
  3. 3. SUMÁRIO Capítulo I CRISTO AB-ROGA O ANTIGO TESTAMENTO............................................................04 Capítulo II O DÍZIMO............................................................................................................................15 Capítulo III A CASA DO TESOURO NÃO EXISTE MAIS..................................................................25 Capítulo IV MALAQUIAS - O PESO DAS PALAVRAS DO SENHOR CONTRA ISRAEL..............33 Capítulo V MUDA-SE O SACERDÓCIO - Hebreus 7........................................................................40 Capítulo VII O DÍZIMO DOS FARISEUS - Mateus 23...........................................................................39 Capítulo VIII QUAL VALE MAIS: O DÍZIMO OU A CIRCUNCISÃO? - Atos 7: 8, 9............................46 Capítulo I CRISTO AB-ROGA O ANTIGO TESTAMENTO 3
  4. 4. AB-ROGAR (Do lat. abrogare.) Termo Jurídico: Fazer cessar a existência ou a obrigatoriedade de (uma lei) em sua totalidade. TESTAMENTO (Do lat. testamentu.) Termo Jurídico: Ato personalíssimo, unilateral, gratuito, solene e revogável, pelo qual alguém, com observância da lei, dispõe de seu patrimônio, total ou parcialmente, para depois de sua morte, podendo, ainda, nomear tutores para seus filhos menores, reconhecer filhos naturais e fazer outras declarações de última vontade. Termo Relgioso: Aliança de Deus com os homens, quer feita através de Moisés - o Antigo Testamento -, quer através de Jesus Cristo - o Novo Testamento. [Os livros sagrados que se 1 prendem a uma ou outra dessas alianças dividem em duas grandes partes a Bíblia cristã. ] A Bíblia cristã, como alguns costumam denomina-la, não é totalmente cristã, os fatores que explicam isso estão na própria Bíblia, bem como, na tradição cristã e judaica que definem a separação e diferença entre os dois. Inicialmente percebemos que a mesma esta dividida em duas partes, a primeira é conhecida como Antigo Testamento ou Antigo Pacto (Antiga Aliança), a outra parte é chamado Novo Testamento ou Novo Pacto (Nova Aliança). O primeiro (Antigo Testamento) recebido por Moisés, dado por Deus no Monte Sinai para os hebreus. O segundo (Novo Testamento) anula o primeiro, foi dado por Jesus – o Cristo, a todos os crêem nEle. Temos na realidade um grande Livro Sagrado dividido em dois testamentos, destes, subdivididos em três tempos – antes da Lei – tempo da Lei – o tempo da Graça de Cristo. A expressão ―antes da lei‖ significa um período de pactos pessoais de Jeová com determinados homens: Adão, Noé, Abraão, Isaque, Jacó. Neste mesmo tempo não existia o pacto por escrito e nem a detalhamento das leis que Deus falou a Moisés, porém, deveria o pactuante repudiar a vida licenciosa e a imoralidade ou qualquer outro tipo de impureza humana. Abraão progenitor da raça hebraica recebeu a promessa de ter todas as suas gerações abençoadas por Deus, sua semente receberia a terra de Canaã por possessão perpetua. Este pacto teria por sinal de confirmação a circuncisão de todos macho da casa de Abraão e de toda sua descendência (Gn 17: 7-27). Isaque o filho da promessa reafirmou o pacto Divino de seu pai Abraão, em seguida, Jacó filho de Isaque, também renovaria o pacto com Deus, eis que, de Jacó se originou as doze tribos de Israel. 4
  5. 5. É importante entendermos que conteúdo continha os pactos firmados entre Deus e o homem antes da lei de Moisés a antes mesmo da graça de Cristo. Com Adão, disse Deus: 15 Então o Senhor Deus pôs o homem no jardim do Éden, para cuidar dele e nele fazer plantações. 16 E o Senhor deu ao homem a seguinte ordem: — Você pode comer as frutas de qualquer árvore do jardim, 17 menos da árvore que dá o conhecimento do bem e do mal. Não coma a fruta dessa árvore; pois, no dia em que você a comer, certamente morrerá (Genesis cap. 2, ver. 15-17). o grifo é nosso Com Noé, disse Deus: 1 Deus abençoou Noé e os seus filhos, dizendo o seguinte: — Tenham muitos filhos, e que os seus descendentes se espalhem por toda a terra. 2 Todos os animais selvagens, todas as aves, todos os animais que se arrastam pelo chão e todos os peixes terão medo e pavor de vocês. Todos eles serão dominados por vocês. 3 Vocês podem comer os animais e também as verduras; eu os dou para vocês como alimento. 4 Mas uma coisa que vocês não devem comer é carne com sangue, pois no sangue está a vida. 5 Eu acertarei as contas com cada ser humano e com cada animal que matar alguém. 6 O ser humano foi criado parecido com Deus, e por isso quem matar uma pessoa será morto por outra. 7 — Tenham muitos filhos, e que os descendentes de vocês se espalhem por toda a terra. 8 Deus também disse a Noé e aos seus filhos: 9 — Agora vou fazer a minha aliança com vocês, e com os seus descendentes, 10 e com todos os animais que saíram da barca e que estão com vocês, isto é, as aves, os animais domésticos e os animais selvagens, sim, todos os animais do mundo. 11 Eu faço a seguinte aliança com vocês: prometo que nunca mais os seres vivos serão destruídos por um dilúvio. E nunca mais haverá outro dilúvio para destruir a terra. 12 Como sinal desta aliança 1 AURÈLIO, Buarque de Holanda. Novo Aurélio: o dicionário da Língua Português. Rio de Janeiro: Nova Fronteira (Versão 3.0, Séc. XXI) s/d. 5
  6. 6. que estou fazendo para sempre com vocês e com todos os animais, 13 vou colocar o meu arco nas nuvens. O arco-íris será o sinal da aliança que estou fazendo com o mundo. 14 Quando eu cobrir de nuvens o céu e aparecer o arco-íris, (Genesis cap. 9, 1-14). o grifo é nosso Com Abraão, disse Deus: 2 Eu farei a minha aliança com você e lhe darei muitos descendentes. 3 Então Abrão se ajoelhou, encostou o rosto no chão, e Deus lhe disse: 4 — Eu faço com você esta aliança: prometo que você será o pai de muitas nações. 5 Daqui em diante o seu nome será Abraão e não Abrão, pois eu vou fazer com que você seja pai de muitas nações. 6 Farei com que os seus descendentes sejam muito numerosos, e alguns deles serão reis. 7 A aliança que estou fazendo para sempre com você e com os seus descendentes é a seguinte: eu serei para sempre o Deus de você e o Deus dos seus descendentes. 8 Darei a você e a eles a terra onde você está morando como estrangeiro. Toda a terra de Canaã será para sempre dos seus descendentes, e eu serei o Deus deles. 9 Deus continuou: — Você, Abraão, será fiel à minha aliança, você e os seus descendentes, para sempre. 10 Pela aliança que estou fazendo com você e com os seus descendentes, todos os homens entre vocês deverão ser circuncidados2. 11 A circuncisão servirá como sinal da aliança que há entre mim e vocês. 12 De hoje em diante vocês circuncidarão todos os meninos oito dias depois de nascidos, e também os escravos que nascerem nas casas de vocês, e os que forem comprados de estrangeiros (Genesis cap. 17, ver. 2-12). o grifo é nosso Perceba que há variação no objeto que representa essas alianças de Deus e o homem, e que por decisão divina cada uma delas foi diferente e isso continuou a ser diferente no caso de Moisés e por fim com a chegada da graça de Cristo, Nosso Salvador. O interessante é a 2 Cerimônia religiosa em que é cortada a pele, chamada prepúcio, que cobre a ponta do órgão sexual masculino. Os meninos israelitas eram circuncidados no oitavo dia após o seu nascimento. A circuncisão era sinal da ALIANÇA que Deus fez com o povo de Israel (Gn 17.9-14). (Extraído do Dicionário da Bíblia de Almeida, SBB) 6
  7. 7. aliança de Deus com Moisés no Monte Sinai, diferente das anteriores, assim como o tempo da graça que foi anunciado em todo o Antigo Testamento seria e é diferente da lei de Moisés. Na realidade Jesus determinou o fim do Antigo Testamento para uma melhor constituição de uma melhor aliança. (Entretanto continuemos seguindo o caminho percorrido pelos hebreus). Estes foram morar no Egito a pedido de José, filho de Jacó e governador do Egito e acabaram se tornando escravos, depois de centenas de anos em sofrimento, Deus convocou Moisés para libertar os descendentes de Jacó (Ex. 2 e 3). Podemos afirmar que a saída do Egito é o marco inicial do ―tempo da Lei‖. Deus propôs um pacto com o povo hebreu: E subiu Moisés a Deus, e o Senhor o chamou do monte, dizendo: Assim falarás a casa de Jacó e anunciarás aos filhos de Israel: Vós tendes visto o que fiz aos egípcios, como vos levei sobre asas de águas, e vos trouxe a mim; Agora pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes o meu concerto, então sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos, porque toda a terra é minha. E vós me sereis um reino sacerdotal e um povo santo. Estas são as palavras que falarás aos filhos de Israel. E veio Moisés, e chamou os anciãos do povo, e expôs diante deles todas estas palavras que o senhor lhe tinha ordenado. Então todo o povo respondeu a uma voz, e disseram: Tudo o que o Senhor tem falado, faremos. E relatou 3 Moisés ao Senhor as palavras do povo (Ex. 19:3-8). o grifo é nosso Monte Sinai – Revista Morashá Primeiramente Deus perguntou se o povo de Israel aceitaria o pacto proposto por Ele e levado por Moisés, especificamente para eles (os hebreus). Perceba que há exclusão de outros povos, seria somente com a descendência de Jacó. Em seguida ordenou os dez mandamentos (Ex. 20: 1-21). Entretanto, estes dez mandamentos seriam a base principal da moralidade e da 7
  8. 8. convivência civil, mas foram também ordenados mais de seiscentos outros mandamentos subdivididos em leis cerimoniais, trabalhista, agrícolas etc. todas compiladas no Torá (Pentateuco). O Torá na visão judaica só deve ser interpretada pelo Talmud ou Torá oral, e qualquer interpretação feita das leis de Moisés sem o Talmud é proibida pelos judeus. Essas leis e o Talmud tornam o povo judeu realmente diferentes dos demais, tanto na formação como povo, como na observação dos mandamentos da Torá, pois eram obrigatórias somente a eles. E por isso eles mesmos se consideram diferentes. Veja as afirmações da revista judaica Morashá: Após a Revelação Divina no Monte Sinai, as Doze Tribos de Israel se tornam a Nação Judaica um povo definido por um código de leis morais e espirituais ditadas por D‘us. As leis promulgadas pelo Eterno fundamentam a responsabilidade do homem perante outros homens e Seu Criador. São leis espirituais que uma vez trazidas à Terra, assumiram forma física e cotidiana. Sua moral e ética transcendem o tempo e o espaço e mudam para sempre os caminhos não apenas do povo de Israel mas de toda humanidade. A formação do povo judeu, em conseqüência da outorga da Torá, difere totalmente de como outros grupos de indivíduos se tornaram uma nação (...) A Torá atesta que nunca 4 antes e nunca mais após aquele evento D’us se revelaria a outro povo ... (grifos nosso) Os dois principais objetos de diferenciação usados pelos judeus para provar as diferenças em relação aos demais povos e nações, se encontram, primeiro na manifestação Divina no Monte Sinai e em seguida a outorga da Torá, são sem dúvidas dois eventos ímpartar e sem repetição na história humana. O Sociólogo Judeu Rogério Rosenbaum, estudioso do Judaísmo Clássico, demonstra de forma clara e sucinta onde se entra as diferenças entre judeus e o resto da humanidade. Vejamos: A Torá não é somente o livro de leis, normas de conduta, história e fé dos judeus, mas o próprio Mapa da Criação. Diz o Talmud, que o Eterno esboçou o plano do universo escrevendo-o sob a forma de uma Torá (Orientação), codificando dentro dela a vida de todos os seres humanos desde o primeiro até o último homem. O total de mandamentos que incumbe o povo judeu como um todo é 613. Aos que não são judeus cabe cuidar dos Sete Mandamentos dos Filhos de 5 Noé , como explicaremos adiante. Adicionalmente a estes 613 mandamentos, que incluem 3 Revista Morashá, Edição 40 - Março de 2003. Disponível em URL: www.morasha.com.br, Ibid. Disponível em URL: www.morasha.com.br. 5 Os Sete Mandamentos dos filhos de Noé são: 1. Não assassinarás. 2. Não roubarás. 3. Não adorarás falsos deuses. 4. Não praticarás imoralidade sexual. 5. Não comerás os membros de um animal vivo. 6. Não amaldiçoarás D'us. 7. Organizarás tribunais e trarás os transgressores à justiça. Disponível em URL: www.jewishbrazil.com/itro.htm, 8 4
  9. 9. hábitos alimentares, atitudes morais e cívicas, relações patrão-empregado, comportamento na guerra, contratos conjugais e herança, até e contatos mais diretos com a alma e com D-us, 6 somam-se as leis rabínicas, como estão descritas no Talmud ... (destaque do autor) Para o sociólogo nos cinco livros de Moisés o Eterno (Deus), esboçou a criação do mundo e codificou a vida dos homens, do primeiro ao ultimo. Porém, mais adiante o autor especifica o que cabe aos judeus e o que os não judeus devem cumprir, ou seja, fica obrigatório a raça humana respeitar os Sete Mandamentos dos Filhos de Noé, com exceção dos judeus que teriam a obrigação de observar os 613 mandamentos dado por Deus no Monte Sinai. Lembramos que os Sete Mandamentos dos Filhos de Noé antecedem o evento no Monte. Não são os cristão que se dizem diferentes ou separados. Não é nosso objetivo querer discriminar qualquer que seja a religião, mas são os próprios judeus que fazem questão de se autodenominarem separados. Muitos cristãos se acham capazes de interpretarem a seu bel prazer as leis judaica, contudo, para os judeus é ato desprezível: O Talmud define e dá forma ao judaísmo, alicerçando todas as leis e rituais judaicos. Enquanto o Chumash (o Pentateuco, ou os cinco livros de Moisés) apenas alude aos Mandamentos, o Talmud os explica, discute e esclarece. Não fosse este, não entenderíamos e muito menos cumpriríamos a maioria das leis e tradições da Torá e o judaísmo não existiria. Historicamente, os judeus que, individualmente ou em grupo, negaram sua validade, acabaram por se assimilar ou desaparecer. E, como outras religiões adotaram o texto da Torá Escrita - Torá shebichtav, mesmo a tendo traduzido de forma errada, adicionando ou removendo partes da mesma e a interpretando de forma proibida pelo judaísmo, é o Talmud o verdadeiro 7 divisor de águas, o texto sagrado que diferencia os judeus das outras nações do mundo . (grifos nosso) Os escritos judaicos são taxativo no que diz respeito aos Livros de Moisés a Torá (que significa Guia ou Orientação), todas interpretações advindas de outras religiões são desconsideradas, pois somente o Talmud pode dá a verdadeira interpretação. Vale ressaltar que o Talmud não é utilizado pelos cristãos. O Sociólogo Rogério Rosenbaum descreve como surgiu o Talmud da seguinte maneira: ―Talmud, que foi compilado na antiga Babilônia e em Israel, entre os séculos 2 e 6 da Era Comum‖. A Revista Morashá o define dessa forma: 6 Paulo Rogério Rosenbaum – Sociólogo pela Universidade de Haifa e estudioso do Judaísmo Clássico. Disponível em URL: www.jewishbrazil.com/itro.htm, 7 Revista Morashá: judaísmo virtual - Edição 43 - Dezembro de 2003. Disponível em URL: www.morasha.com.br. 9
  10. 10. Sua definição formal é a de ser a compilação da Lei Oral, que foi transmitida por D‘us a Moisés, no Monte Sinai, tendo sido estudada e dissecada, através dos séculos, pelos sábios que viviam em Israel e na Babilônia, até o início da Idade Média. O Talmud tem dois componentes principais: a Mishná, um livro sobre a lei judaica, escrito em hebraico, e a Guemará, comentário 8 e elucidação do primeiro, escrita no jargão hebraico-aramaico . Sabemos agora que o cristão nada tem de comum com o povo judeu, o cristão não deve de forma alguma se apropriar das determinações ordenadas nos livros de Moisés e muito menos seguir os como prática de fé conselhos ou ordenanças contidas nos livros históricos, proféticos e poéticos, haja vista, que todo o conteúdo dos escritos dos profetas possui como base as ordenanças do Torá ou são profecias referente a chegada do Messias – o Cristo. Para os cristãos ele é Jesus o nosso salvador. As profecias do Antigo Testamento sobre o Messias foram cumpridas em Jesus, do maior ao menor detalhe; nasceria de uma virgem (IS. 7:14); seria na cidade de Belém (Mq. 5:2); seria perseguido ainda criança (Jr. 31:15); seria chamado do Egito (Os. 11:1) Jesus entraria em Jerusalém montado num jumento (Zc. 9:9). Sem dúvida, cabe ao cristão conhecer o Antigo Testamento, mas não cabe a ele cumprir qualquer preceito ou exemplo dado pela lei do Velho Pacto. O Antigo Testamento não pode ser rasgado e jogado fora, por sua vez, é uma fonte inspirada por Deus e dado como mandamento aos judeus. Consta também como caminho inicial e anúncio da chega do grande Redentor da humanidade. Contudo Cristo nos deu um novo mandamento, sendo sem dúvida a regra de vida e fé de todos os cristão. As diferenças existentes entre judeus e não judeus ficam manifestas também na Nova Aliança dada por Jesus Cristo. Diferenças essas, claras e notórias que exigem a renuncia das práticas do Velho Testamento e a execução somente do Novo. Os apóstolos também tiveram dúvidas e várias contendas (leia Gálatas) a respeito se poderiam ou não cumprir os mandamentos do Antigo Testamento. No intuito de por fim as controvérsias. O Concilio em Jerusalém, o primeiro onde se buscou consenso para tais contendas. Definiu: Alguns, porém, da seita dos fariseus, que tinham crido, levantaram-se, dizendo que era necessário circuncida-los, e mandar-lhes que guardassem a lei de Moisés. Congregaram-se os apóstolos e os anciãos para considerar este assunto. E, havendo grande discussão, levantouse Pedro, e lhes disse: Irmãos, bem sabeis que já há muito tempo Deus me elegeu dentre vós, para que os gentios ouvissem da minha boca a palavra do evangelho, e cressem. Deus, que conhece os corações, deu testemunho a favor deles, concedendo-lhes o Espírito Santos, assim 8 Ibid. Disponível em URL: www.morasha.com.br. 10
  11. 11. como também a nós. E não fez diferença alguma entre eles e nós, purificando os seus corações pela fé. Agora, pois, por que tentais a Deus, pondo sobre o pescoço dos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós pudemos suportar? (At. 15:5-10). Os apóstolos e anciãos, principalmente Pedro expondo as maravilhas que Deus havia concedido aos não judeus, prova como é desnecessário o cumprimento das leis do Antigo Testamento. Os gentios sem Moisés receberam o Espírito Santo, isso significa que eles foram aceitos pela fé sem necessitar do cerimônialismo e legalismo judaico, como festas, sábado, dízimo, circuncisão ou qualquer outro preceito. O próprio Pedro admiti que a lei mosaica era um jugo que impedia uma relação mais íntima com Deus. Na conclusão do Concílio definiu-se como mandamentos do Antigo Testamento a serem cumpridos pelos cristão, somente estes: Pareceu bem ao Espírito Santo, e a nós, não vos impor mais encargo algum, senão estas coisas necessárias: Que vos abstenhais das coisas sacrificadas ao ídolos, do sangue, da carne sufocada e da prostituição. Fazei bem se vos guardardes destas coisas. Bem vos vá (At. 15:28,29). A decisão do Concílio em Jerusalém é bem clara ao afirmar que os gentios convertidos não estavam debaixo do jugo da Lei, mas deveriam seguir os ensinamentos de Jesus através de seus apóstolos. Certamente os mesmos concluíram que existia diferenças entre Jesus e Moisés. O legislador dos judeus teve a função de conduzir seu povo através da instrução da lei dada por Deus, escrita e compilada no Antigo Pacto. Entretanto, o Antigo acabou sendo instaurado o Novo Pacto baseado não mais em sangue animal, mas sim no Santo Sangue do Cristo ressurreto. No evangelho de Mateus 26:18, Jesus manifesta quem é o detentor de todo poder no céu e na terra – Ele, e o que todos deveriam fazer e cumprir seus mandamentos. Indo fazer discípulos, batizando-os e ensinando a guardar os ensinamentos de Jesus. Com base no Novo Testamento, cabe a seguinte pergunta: se disséssemos aos defensores e cobradores do dízimo que o mesmo não pode mais ser cobrado, o que diriam de nós? Com certeza nos chamariam de loucos, bestas feras, espíritos imundos, demônios etc. Bem, loucos ou não, esta é a mais pura verdade. Pois o dízimo é uma ordenança da Lei de Moisés e, que a Lei estando escrita no Antigo Testamento, no qual já há muito tempo foi abolido por Cristo Jesus (II Co. 3:14), ou seja, se o Antigo Testamento foi abolido, retirado, anulado, o que temos nós os Cristãos em cumprir a Lei dos dízimos citada em Lv. 27: 30 – 34? E que medo devo ter das maldições contidas no livro do profeta Malaquias? Já que as maldições eram dirigidas para quem tinham obrigação de cumprir a Lei escrita por Moisés, e isso Cristo e todos 11
  12. 12. os Apóstolos garantem, nós Cristãos não temos essa obrigação. Se não temos obrigação, então, como somos amaldiçoados? Você já imaginou o que diriam os grandes Imperadores do Evangelho ao lerem ou ouvirem isso. No Brasil como exemplo de Imperadores do Evangelho temos, Edir Macedo (Fundador da Igreja Universal do Reino de Deus), Davi Miranda (Fundador da Igreja Deus é Amor), R. R. Soares (Fundador da Igreja Internacional da Graça de Deus), José Wellington Bezerra (Convenção Geral das Assembléias de Deus), também o que pensaria aquele que se auto-denomina ―Apóstolo‖ Estevão (Fundador da Renascer em Cristo), ou a CNBB com a pastoral do dízimo, e outros milhares em todo mundo. Apesar da isenção Bíblica sobre a obrigatoriedade do dízimo. No entanto, os Imperadores do Evangelho e seus seguidores, erroneamente continuam a pregar nos cultos e missas o que mais os interessa, que é arrecadar dízimos, usando maldições e classificando de roubadores de Deus e até condenando os não dizimistas. O Apóstolo Paulo explica muito bem a diferença da Lei e da Graça, a saída do Antigo Testamento e o início do Novo Testamento, fazendo a comparação entre Sara mulher de Abraão na qual gerava o filho da promessa divina e Agar escrava que teve um filho Abraão. Eu bem quisera agora estar presente convosco, e mudar o tom da minha voz, porque estou perplexo a vosso respeito. Dizei-me, os que quereis estar debaixo da lei, não ouvis vós a lei? Pois está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava, e outro da livre. Todavia, o que era da escrava nasceu segundo a carne, mas, o que era da livre, por promessa. O que se entende por alegoria, pois estas mulheres são as duas alianças. Uma aliança é do monte Sinai, gerando filhos para a escravidão, que é Hagar. Ora, esta Hagar é Sinai, um monte da Arábia, que corresponde à Jerusalém atual, porque é escrava com seus filhos. Mas a Jerusalém que é de cima é livre, a qual é mãe de todos nós. Pois está escrito: Alegra-te, estéril, que não dás à luz; esforça-te e clama, tu que não estás de parto; porque os filhos da abandonada são mais do que os da que tem marido. Ora, vós, irmãos, sois filhos da promessa, como Isaque. Mas, como então o que nasceu segundo a carne perseguia ao que nasceu segundo o Espírito, assim é também agora. Mas que diz a Escritura? Lança fora à escrava e seu filho, pois de modo algum o filho da escrava herdará com o filho da livre. De maneira que, irmãos, somos filhos, não da escrava, mas da livre (Gl. 4: 20 – 31, grifos nosso) Paulo escreveu a carta aos Gálatas depois de lhe chegar o conhecimento da intromissão da doutrina Judaica entre os Gálatas, nos quais ensinava que todos Cristãos tantos Judeus como Gentios só poderiam ser agraciados pelo poder de Jesus Cristo através do cumprimento da Lei Mosaica, e sem essa observação não poderiam fazer parte do rebanho divino, da Igreja Santa. Paulo sabendo dessas heresias usa ricos argumentos para combatê-los, e nos provar 12
  13. 13. que não é mais necessário o cumprimento da circuncisão, dízimo ou de qualquer outro preceito do Sinai. A alegoria feita pelo apóstolo com todo seu discernimento Espiritual, mostrando a diferença das duas alianças causou um profundo impacto na vida do movimento judaico-cristão, que defendia a observação da lei na convivência e exercício da fé dos gentios convertidos ao cristianismo. Nem judeus e nem gentios precisavam cumprir qualquer ordenança. Em quanto ao dízimo, O Novo Testamento prova a não necessidade de se paga-lo. Se observarmos minuciosamente o verso 25 do capítulo 4 de Gálatas, veremos o autor afirmar: "Ora esta Agar é Sinai, um monte da Arábia, que corresponde à Jerusalém atual, porque é escrava com seus filhos". Concluímos o seguinte: no Monte Sinai foi dada a lei ao povo de Israel, inclusive a ordenança dos dízimos. "Todos os dízimos do campo, da semente do campo, do fruto das árvores, são do Senhor; são santos ao Senhor. São estes os mandamentos que o Senhor deu a Moisés, no monte Sinai, para os filhos de Israel‖ (Lv. 27:30, 34). Então se Agar é o Monte Sinai, onde foi dada a Lei, fica claro e evidente que os cumpridores da lei dos dízimos são filhos da escrava e não da livre. Já que a livre deu a luz há Isaque, o filho da promessa e, essa tão grande promessa nos alcançou assim como diz o Apóstolo: "Ora, vós, irmãos, sois filhos da promessa, como Isaque" (Gl. 4: 28). Convenhamos, o que temos haver nós os filhos da promessa com o cumprimento do pagamento do dízimo, pois o próprio Isaque não pagou-o. Mesmo os "grandes" pregadores do evangelho sabendo da verdade ousam em continuar com pregações herética, escrevem livros e mais livros induzindo o rebanho de Cristo a pagar o dízimo, achando eles que a piedade de Cristo é causa de lucro e não aceitando as escrituras do Nova Aliança da forma que está escrita. Os cobradores de dízimos defendem-se com argumentos supérfluos, afirmando que Deus depois de autorizar um mandamento não poderia desautorizar-lo, onde se enganam completamente. Servimos ao Deus do impossível. E se é impossível Ele autorizar e desautorizar, Ele deixa de ser o Deus do impossível e passa a ser o deus anunciado por pregadores mercenários, que O transformaram em um deus mercenário e unicamente capitalista. Isso não acontece por acaso, mas para sustentação desse sistema sórdido e perverso, iniciado pela Igreja Romana com as indulgências e modelado por João Calvino e sua predestinação. Tendo sido totalmente modernizado e diabolisada pela teologia da prosperidade da Igreja Cristã Moderna. Deus em sua grandeza não deixa dúvida das possibilidades do impossível se transforma possível. Quando Deus falou a Abraão para sacrificar seu único filho, Abraão não mediu esforços, pegou Isaque e indo até o lugar indicado por Deus para oferecer seu filho. O Senhor 13
  14. 14. vendo tão grande fé daquele homem, envia um anjo para comunicá-lo que ele não precisava mais sacrificar seu filho (Gn. 22:2-12). Certamente agora, percebemos o grande, único e supremo poder, tendo Ele pedido Isaque filho de Abraão para prová-lo e, vendo Deus a fé de Abraão, enviou seu anjo impedindo o sacrifício. Da mesma forma Deus fez com o Antigo Testamento. Grandes homens de fé usados por Deus escreveram o Velho Testamento ou a Antiga Aliança, durante centenas de anos conduzindo-nos assim para o tempo da graça, com a chegada do Novo Concerto descrito na própria Antiga Aliança. Deus não decidiu de última hora aboli-lo, pelo contrário, centenas de anos antes de Cristo, Deus já havia predito a vinda do Emanuel e a chegada do Novo Concerto, a Nova Aliança, o Tempo da Graça. O livro de Jeremias é prova disso. Confira: Eis que dias vem, diz o Senhor, em que farei um concerto novo com a casa de Israel e com a casa de Judá. Não conforme o concerto que fiz com seu país, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; porquanto eles invalidaram o meu concerto, apesar de eu os haver desposado, diz o Senhor. Mas este é o concerto que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo (Jr. 31: 31-33). Acaso alguém ainda queira continuar com o pseudo mandamento cristão referente ao pagamento do dízimo, pelo simples fato do mesmo constar no Antigo Testamento. Cabe a ele também guarda os outros seiscentos e treze preceitos que estão em harmonia com o dízimo no ritualismo hebraico. Todavia, o cristão confia nas palavras de Cristo: ‖A lei e os profetas duraram até João, desde então é anunciado o reino de Deus,...‖ (Lc. 13:16); "Mas os seus sentidos foram endurecidos. Porque até hoje o mesmo véu está por levantar na lição do velho testamento, o qual foi por Cristo Abolido" (II Co. 3: 14); Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente quanto é mediador duma superior aliança, que está firmada em melhores promessas (Hb. 8:6); O mistério é que os gentios são co-herdeiros e membros do mesmo corpo e co-participantes da promessa em Cristo pelo Evangelho‖ (Ef. 3:6). Capítulo II O DÍZIMO DÍZIMO (Hebraico. Maasser; Do lat. decimu.) A décima parte; Imposto equivalente à décima parte do rendimento. 14
  15. 15. A controvérsia sobre a obrigatoriedade ou não do pagamento do dízimo deve se expandi, isso no intuito de traçamos uma série de indagações profundas, com necessidade de respostas corretas e canônicas. Certamente, devido a enxurrada de falsas interpretação, falseadas propositalmente, todas sem comprovação bíblica ou que não tenha sofrido criterioso debate sobre os diversos temas gerados para doutrinar a cristandade moderna, por sua vez, nos trouxe uma nova forma de pregação e um novo modelo de igreja. Ambas firmadas em falsos pilares. Na verdade vivemos um cristianismo submisso a ideologias políticas e metas econômicas. Para esclarecer melhor temos que recorrer a um destes pilares - o dízimo, um dos componentes das metas políticas. Nos últimos séculos este assumiu forma moderna, totalmente distinta de sua origem. O professor Jonh D. Davis discorre sobre o tema, principalmente sobre como funcionava ou como era pago o mesmo na antiguidade. No entanto, o período exato de quando iniciou esta prática não pode ser definido, porém, sabe-se que é muito antigo e possuía várias características, algumas nações separavam para os deuses, uma certa quantidade da produção, seja ela do campo, cultivo, da criação ou caça de animais, e até mesmo dos bens conquistados na guerra, como fez Abraão. ―Os Lídios ofereciam a décima parte das presas, os Fenícios e os cartagineses enviavam anualmente a Hercules, a décima parte de suas rendas‖9. Ressaltamos ainda que esses povos ofereciam seus dízimos principalmente da agropecuária de forma voluntária para honrar autoridades de seu tempo, bem como, muitas vezes possuía caráter assistencial, eram distribuído aos pobres, mas também existiam povos que instituíam leis para cobra determinadas quantias de suas produções. ―Os Egípcios deveriam contribuir com a quinta parte das colheitas para Faraó‖10. No que diz respeito ao povo judeu, sabe-se que não foi Abraão quem instituiu o costume de dar dízimo, já que Isaque, seu filho, não pagou, enquanto Jacó precisou fazer voto, deixando claro que o pai Abraão não deu ordens sobre tal obrigação. Para Davis ―não poucos doutores são de opinião que a contribuição de um quinto para Faraó que os israelitas pagavam no Egito, se perpetuou na lei mosaica. Este quinto foi elevado a dois quintos, 1° para os levitas e o 2° para o santuário‖11. Todavia, o que os teólogos afirmam, não passa de especulação de pouco interesse para o trabalho neste momento, pois devemos tomar os registros bíblicos sobre o tema. 9 DAVIS, John D. Dicionário da Bíblia. Trad. Rer. J. R. Carvalho Braga. 2° Ed. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1960, p. 164. 10 Ibid., p. 165. 11 Ibid., p. 165. 15
  16. 16. Sabe-se que se trata de uma prática muito antiga, mas continuamos sem saber qual povo iniciou este costume ou obrigação, entretanto, para o povo hebreu foi um mandamento dado por Deus no Monte Sinai (Lv. 27:30-34), isto, de acordo com o Antigo Testamento. Surgi outra controvérsia quando penetramos neste mandamento judaico, pois também se tornou difícil identificar quantos dízimos existiam, e em que épocas do ano eram pagos. Sabe-se, contudo, que a Bíblia deixa bem claro que somente os judeus proprietários de latifúndio, campos produtivos, deveriam pagar o dízimo. Nos livros escritos por Moisés, identificamos quatro dízimos, podendo ser classificado como, três dízimos diretos e um indireto: 1° o dízimo do santuário (Nm.18: 21; Ne. 10:37); 2° o dos levitas, deste, os levitas retiravam outro dízimo [era indireto o 3° dízimo, 10% de 10%] para o santuário (Nm. 18:23; Ne.10:38); 4° para os pobres (Dt. 12:18; 14:29). Esses mandamentos sofreram várias alterações com o passar dos séculos, os judeus deixaram de pagar os dízimos aos sacerdotes, devido a destruição do Templo em Jerusalém no ano 70 d.C. As igrejas cristãs se apropriaram destas ordenanças, deturparam sua essência, e utilizam o texto de Malaquias 3:10 para justificar a cobrança, mas não existe registro da obrigação do dízimo para cristãos no Novo Testamento, contudo o ―gazofilácio‖ 12 e as ―salvas‖13 continuam há ter bastante utilidade. Na realidade, existe uma única fonte originária do dízimo, todavia, é propagada de várias formas no cristianismo e, por diferentes seguimentos religiosos, ou seja, para os judeus antes da destruição do Templo em Jerusalém era imperativo o cumprimento deste mandamento, porém, depois da destruição do templo houve uma brusca mudança; os cristão tem o dízimo como obrigação, apesar de não constar nenhum mandamento, (é uma doutrina deformada, não possui canonicidade); os Mórmons também se apropriaram deste mandamento judaico e alegam que Jesus mandou Néfi reescrever o livro de Malaquias para serem ensinados ao povo. É mais ou menos essa a realidade de hoje. Veja a concepção do dízimo para cristãos de hoje e do povo judeu na nas ordenanças do Pentateuco. 12 GAZOFILÁCIO: (Do gr. gazophylákion, pelo lat. gazophylaciu.) Lugar no templo, onde se guardavam os vasos e recolhiam as oferendas; Cofre de jóias; escrínio;Tesouro. AURÈLIO, Buarque de Holanda. Novo Aurélio: o dicionário da Língua Português. Rio de Janeiro: Nova Fronteira (Versão 3.0, Séc. XXI) s/d. 13 Sacolas específicas, para circular dentro do templo no recolhimento das contribuições. 16
  17. 17. 1. CONCEPÇÃO DE DÍZIMO NA IGREJA CRISTÃ MODERNA. Depois de entregue o dízimo na congregação, automaticamente se abre a janela do céu – bênçãos para os dizimistas e maldição para os não dizimistas. (baseado em Malaquias 3:10) O líder da congregação tem obrigação de cobrar e recolher o dízimo dos membros, para investir na ―obra de Deus‖. Todos os membros de uma denominação cristã tem obrigação de recolherem 10% (décima parte) de seus rendimentos; rico ou pobre, jovem, velho, viúva, aposentado, agricultor, industrial ou qualquer trabalhador remunerado, para serem pagos na igreja. Perceba que o atual mecanismo de arrecadação da igreja é totalmente equivocado e sem base canônica, e o pior, os fiéis desafiam (cobram, exigem, provocam) Deus no intuito de receber bênçãos, principalmente as desejadas ―bênçãos financeiras‖, como se Deus tivesse obrigação para tal. Pensam eles que os não dizimistas estão amaldiçoados com um tal ―devorador‖ lhe perseguindo. O mais intrigante e digno de nota e de lembrança é que, aqueles que cumprem algum preceito da lei de Moisés, este sim esta sob maldição: ―Todos aqueles pois que são das obras da lei estão debaixo da maldição; porque escrito está: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para faze-las‖ (Gl. 3:10), ou seja, na realidade os amaldiçoados são os pagadores de dízimo, já que se trata de um mandamento do Monte Sinai, significando assim sua filiação a Agar, para serem escravos (Gl. 17
  18. 18. 4:25), pois o cristão está isento da Antiga Aliança devendo permanecer na doutrina apostólica (At. 2:42). O gráfico acima, só se aplica na realidade para os Mormos, pois nos seus escritos - o Livro de Mórmon, foram feitas certas modificações na ordem original do mandamento dada no Monte Sinai, sendo estas incluídas como obrigação divina: E aconteceu que Jesus ordenou que fosse escrito; por conseguinte foi escrito, como ele ordenou. E então aconteceu que depois de haver explicado em uma todas as escrituras que haviam registrado, Jesus ordenou-lhes que ensinassem as coisas que ele havia explicado (3 Ne 23:13,14). E aconteceu que ele lhes ordenou que escrevessem as palavra que o Pai transmitira a Malaquias, as quais ele lhes diria. E aconteceu que depois que foram escritas, ele as explicou. E estas foram as palavras que ele lhes disse: Assim disse o Pai a Malaquias (...). Com maldição sois amaldiçoados, porque me roubastes a mim, vós, toda a nação. Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento em minha casa; e provai-me então com isto, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e 14 não derramar sobre vós uma bênção ... (3 Néfi 24: 1,9,10). grifos nosso Observe que nos escritos sagrado dos Mórmons, no livro de Néfi há afirmação que Jesus mandou que escrevesse o que o Pai havia dito a Malaquias e, por incrível que pareça, Jesus afirmou que o livro de Malaquias, fosse reproduzido e ordenando a observação no pagamento do dízimo. Joseph Smith (fundador do mormonismo) é esperto, de todo o livro de Malaquias para ser novamente escrito e ensinado, ele só reescreveu o mandamento do dízimo e as maldições para quem não obedecesse15. No entanto, não para por aí, no livro de Doutrina e convênios deste mesmo seguimento religioso se encontram as seguintes afirmações: Aquele que pagar o dízimo não será queimado no dia de sua vinda, D&C 64:23 (85:3). A casa do Senhor será construída com o dízimo de seu povo, D&C 97: 11-12. O Senhor revelou a lei 16 do dízimo, D&C 119. A distribuição dos dízimos será feita por um conselho , D&C 120. Ora, para os Mórmons, Cristo ordenou o pagamento do dízimo, deixando transparecer que até segmentos religiosos heréticos se aproveitam de Malaquias 3:10. Mas para os cristãos, só o Novo Testamento e a doutrina apostólica deve ser observada na verdadeira adoração 14 O LIVRO DE MÓRMON – Outro Testamento de Jesus Cristo. Salt Lake City, Utah, EUA: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, 1995. p. 529,530 15 Ver livro 3 Néfi cap. 24 In: O LIVRO DE MÓRMON – Outro Testamento de Jesus Cristo. Salt Lake City, Utah, EUA: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, 1995. p. 529,530 16 Guia Para Estudo da Escrituras. In: O LIVRO DE MÓRMON – Outro Testamento de Jesus Cristo. Salt Lake City, Utah, EUA: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, 1995. p. 61 18
  19. 19. cristã, e neles não consta a doutrina ou cobrança do dízimo. Se para os Mórmons cairá maldição sobre eles, caso não paguem o dízimo. Para os cristãos que tem o Novo Testamento (pois os Mórmons usam outros escritos), acontece o contrário, se ele pagar o dízimo aí sim cairá em maldição (Gl. 3:10; 3:12). Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós... (Gl. 3:13). ―A saber, que os gentios são co-herdeiros e de um mesmo corpo, e participante da promessa em Cristo pelo evangelho;‖ (Ef. 3:6). Sabemos que sem o evangelho não teríamos entrada no céu, sendo a doutrina apostólicas e principalmente as palavra do Cristo de conhecimento de todos, e que o livro de Malaquias não está incluído como doutrina Cristã-Apostólica. Os comentários no capítulo anterior, tornam desnecessário nos demorar neste assunto. 2. CONCEPÇÃO JUDAICA DO DÍZIMO: DA CONQUISTA DA TERRA PROMETIDA ATÉ A DESTRUIÇÃO DO TEMPLO NO ANO 70 DA E.C. 19
  20. 20. Através deste ato legal o povo de Israel receberiam bênçãos para à agricultura, pois todos os serviço do Templo seriam feitos e o povo pobre não padeceria fome. As bênçãos deste ato tinham dois destinos: o judeu que pagou e a pessoa que recebeu. Outro dízimo, e as primícias do campo era destinado ao Sumo Sacerdote, como também para as festividades realizadas única e exclusivamente no Templo Sagrado da capital de Israel (Lv. 23; Ne. 10:37; 13: 5,1213). Os judeus proprietários de terra deveriam destinar 10% de sua produção – plantio ou criação de animais, para serem entregues aos levitas das cidades, outro para os responsáveis pelo serviço no Templo em Jerusalém, e de três em três ano para os pobres. Moisés escreveu que somente a tribo de Levi tinha obrigação de receber os dízimos de seus irmãos, e estes estavam incumbidos retirar 10% dos 10% recebidos para o Sumo sacerdote (Nm. 18:25; Ne. 10: 38). Os pobres: órfãos, viúvas, estrangeiros e escravos se alimentavam destes dízimos (Dt. 12), bem como, das sobras da colheita, preestabelecidas em lei (Lv. 23:22; Rt. 2:2-3). Os judeus proprietários de terras recolhiam 10% da produção anual, sendo que destas terras deveria ser retirados três dízimos, que por sua vez, teria um papel sócio-econômico-religioso. Os judeus são sem sobra de dúvida um povo extremamente zelosos pela doutrina Divina, pois o monoteísmo se originou através deste, onde foram responsáveis de seguir rígidas leis, sendo estas escritas na Torá. No que diz respeito ao dízimo (heb. maasser) isso não é diferente, através do gráfico percebemos a complexidade existente em definirmos o que 20
  21. 21. realmente significa o dízimo na Lei de Moisés e vários objetivos deste mandamento legal. Bem, esta foi deturpada na igreja cristã tomando rumo totalmente distinto de seu objetivo original. É sabido de todos que os próprios judeus se consideram diferentes dos demais povos. Em relação ao dízimo, pasmem, pois eles também afirmam que se trata de uma obrigação unicamente judaica: ―A idéias de dar o Dízimo não apenas existe no judaísmo, como é uma prática genuinamente judaica‖17 , esta afirmação vinda de uma artigo judeu, confirma os argumentos antes expostos. Ainda no mesmo artigo o autor defini três categorias funcionais para os dízimos. Ele diz: Na época do Templo Sagrado, os Cohanim 18 19 e Leviim eram os representantes do povo de Israel, dedicando seu tempo para o serviço Divino. Estes não receberam uma porção de terra para o cultivo, como as outras tribos, pois moravam na região do Templo em Jerusalém ou em cidades designadas para eles. Estas tribos, que tanto dedicavam-se em prol de Israel, eram sustentadas pelo povo. Os dízimos mencionados acima eram consumidos pelos Cohanim e Leviim e suas famílias. As oferendas eram retiradas da seguinte maneira: 1. Bikurim- as primeiras frutas da safra eram trazidas ao Cohen 2. Terumá Guedolá- aproximadamente dois por cento da colheita era dada ao cohen 3. Masser Rishon- o primeiro dízimo- dez por cento do restante da colheita era dado ao Levi, que por sua vez retirava dez por cento e dava ao cohen 4. Maasser Sheni- segundo dízimo- no primeiro, segundo, quarto, quinto e sétimo ano do ciclo sabático, o agricultor retirava dez por cento do restante da colheita e levava a Jerusalém, onde era comido ou redimido. 5. Maasser Ani- Dízimo do pobre- no terceiro e sexto ano no ciclo sabático, ao invés de levarse o maasser sheni ao Templo Sagrado, este era dado aos pobres. Uma vez que não há mais pessoas da tribo de Levi trabalhando no Templo Sagrado, todo judeu tem a obrigação de dar um décimo de seu lucro para caridade e ajuda aos necessitados. Isto inclui desde comida para pobres, até bolsas de estudos e projetos e a qualquer indivíduo ou instituição beneficente de nossa escolha. 17 Beit Chabad no Brasil, muitas informações importantes sobre as festas e eventos na coletividade judaica. Disponível em URL: www.chabad.org.br/biblioteca/artigos/maasser/home.html, (grifo nosso) 18 Cohanim (Plural de Cohen): Descendentes de Arão. 19 Leviim (Plural de Levi): Descendente da tribo de Levi. Os levitas tinham várias tarefas no Templo Sagrado, dentro as quais cantar e tocar os instrumentos durante o serviço das oferendas e eram parte da guarda de honra do Templo. 21
  22. 22. Há muitas leis relativas ao maasser (dízimo) inclusive relativas ao plantio e colheita da terra em Israel que vigoram até hoje, beneficiando viúvas, órfãos e 20 necessitados. Aos gentios não era permitido transpor esta parede limite, ou Sereg. (destaque nosso) Editora Vida, 1992 O livro apócrifo de Tobias, escrito provavelmente por volta de 200 a.C, usa principalmente pelos Católicos, também possui registros em relação há três dízimos. Confira: Muitas vezes, eu sozinho ia a Jerusalém, por ocasião das festas, em obediência ao preceito eterno, imposto a todo o Israel. Acorria a Jerusalém com as primícias dos frutos e dos animais, com os dízimos dos rebanhos e a primeira tosquia das ovelhas. Entregava tudo aos sacerdotes, 20 Idem, ibidem. (os grifos são nosso) 22
  23. 23. descendentes de Aarão, para o altar. Aos levitas, que desempenham suas funções em Jerusalém, entregava o dízimo do trigo, do vinho, do óleo, das romãs, do figo e dos outros frutos. Seis anos em seguida, oferecia, em dinheiro, o segundo dízimo, indo anualmente apresentá-lo em Jerusalém. O terceiro dízimo, eu dava aos órfãos e às viúvas e distribuía aos prosélitos que se uniram aos israelitas. Fazia-lhes esta oferta de três em três anos. Nós a comíamos, em conformidade com a prescrição contida a respeito na Lei de Moisés, e também conforme as recomendações feitas por Débora, a mãe de nosso pai, pois meu pai havia 21 morrido, deixado-me órfão (Tobias 1:6-8) . grifos nosso Este relato descritivo corresponde às obrigações judaicas quando existia o Templo em Jerusalém, sendo nesta mesma época a classe sacerdotal subdividida em duas: são duas palavras hebraicas - os Cohanim, descendentes diretos de Arão, estes eram responsáveis pelo santuário do Templo; os chamados Leviim, são os demais descendentes de Levi, geralmente viviam nas cidades israelitas (I Cr. 23:32; Ne. 10;38). Os dízimos eram pagos para o sustento dos sacerdotes (Nm. 18:8-32), o caráter social dos dízimos é enfatizado no livro de Tobias, onde o mesmo mostra a participação dos pobres. Ora, se as funções religiosas a serem executada no Templo tiveram seu fim, o mesmo acontece aos sacerdotes, seus trabalhos findaram, com isso chaga-se ao fim o pagamento do dízimo para o povo judeu. Todavia os pobres continuam a existir e, por este motivo os judeus de hoje permanecem pagando o dízimo dos pobres. Em relação aos cristãos, os pobres, devem ser tratados como irmãos e com uma peculiar atenção (Gl. 2:10). Mas hoje, a falsa igreja cristã, além de nada fornecer aos pobres, proíbem a destinação dos dízimos para caridade, cobram dos necessitados dízimos e ainda jogam maldição nos lombos dos pobres que não pagam. É interessante constatarmos no Antigo Testamento o registro de várias profissões Como: Alfaiates: Ex. 28: 3; II Reis 23: 7; Artífices: I Cr. 22: 15; Is. 40: 19; Barbeiros: Is. 7:20; Ez. 5:1; Carpinteiros: II Sm. 5: 11; II Rs. 12: 11; Mt. 13:55; Caçadores: Jr. 16: 16; Guardas: II Reis 22: 4; Padeiros: Jr. 37: 21; Os. 7: 4; 21 Tobias é um dos sete livros apócrifos, chamado de deuterocanônicos pelos católicos, isto é, incluídos definitivamente na lista dos livros inspirados da Igreja Católica a patir do Concílio de Trento (1546). O livro é considerado apócrifo pelas Igrejas Protestantes; por isso não consta em suas Bíblias, como também nas Bíblias Hebraicas. BÍBLIA VOZES. Tobias, Judite, 1° e 2° Macabeus, Sabedoria, Eclesiástico, Baruc. Trad. Ney Brasil Pereira e Lincoln Ramos. Petrópolis(RJ): Vozes, 1992, p 527. 23
  24. 24. Ouríves: II Cr. 2: 7; Ne. 3: 8; Is. 40: 19; Oleiros: Jr. 18: 2; Pedreiros: II Rs. 12: 12 - 22: 6; I Cr. 14: 1; Ed. 3: 7; Pescadores: Jr. 16: 16; Mt. 4:18 Porteiros: II Sm. 18: 26; II Cr. 16: 42; Vendedores: Ne. 13 - 20 - I Reis 10:15; Mas não há menção do pagamento de dízimo destes profissionais, onde confirma mais uma vez que o dízimo se tratava dos produtos oriundos do campo. Os judeus de hoje não pagam mais os dízimos ordenados pelo Pentateuco, no entanto, mantém a tsedacá (ato de justiça) destinando a décima parte de suas rendas líquidas (de qualquer trabalho) aos pobres. Veja: Um método fácil para aqueles que recebem seu salário já deduzido de impostos é tirar 10% do valor e depositá-lo para alguma instituição realmente merecedora (Aconselhe-se bem antes de entregar o dinheiro. Lembre-se: Tsedacá é um 'negócio' espiritual. Da mesma forma que você não investiria seu dinheiro numa empresa ''picareta', não dê Tsedacá antes de assegurar-se onde irão aplicar seu dinheiro). Isto torna sua contabilidade honesta e transparente, tornando mais fácil cumprir esta mitsvá. Aqueles que têm empresas (onde sua conta corrente e a da empresa se confundem) ou vivem de outros investimentos, devem fazer um balanço semestral e separar o dizimo do quanto lucrou. Mais detalhes e dúvidas devem ser sempre esclarecidas através de consulta a um rabino ortodoxo, bem versado nestas leis. Se um pobre lhe pede dinheiro e você não esta apto a ajudá-lo agora, não levante a voz ou aja desagradavelmente. Solidarize-se com ele e, calmamente, expresse que gostaria de ajudá-lo, mas que neste instante não tem condições de fazê-lo. É louvável dar algo a uma pessoa pobre que pede um donativo, mesmo que seja uma pequena quantia. O judeu deve destinar no primeiro ano de seu prolabore 1/10 do valor bruto para tsedacá, descontando apenas os impostos. Nos demais anos (ou meses, como queira se programar) deverá dar 1/10 de seu lucro líquido, para cumprir o preceito. A subsistência de uma pessoa deve preceder a subsistência de seu próximo. Ela só deverá doar aquilo que excede seus ganhos após ter usado o necessário para sua casa, seu próprio sustento. Se a pessoa desejar aprimorar esta ação, poderá destinar até 1/5 de seu ganho, se este valor estiver dentro de sua capacidade e não significar que terá que pedir ajuda a outras e depender de caridade, ela própria. Deve-se doar para instituições e pessoas necessitadas, a nosso próprio critério. Procuramos entidades idôneas que conhecemos e confiamos, ou nas quais sabemos com certeza que o dinheiro será todo aplicado em obras assistenciais, ajuda a pobres e necessitados, custeio de estudos a estudantes carentes, e assim por diante. A forma mais nobre de realizar uma doação 24
  25. 25. é aquela em que o doador desconhece a quem doa e quem recebe a doação nem imagina 22 quem lhe fez a doação . (grifos nosso) Os judeus de hoje são mais ―cristãos‖ do que o os próprios cristãos. Jesus uma vez censurou os fariseus da seguinte forma: ―Pois vos digo que se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus‖ (Mt. 5:20). A igreja Apostólica era possuidora de uma justiça excedente se comparada a toda e qualquer crença religiosa. Viviam numa comunhão plena, o amor era visível em suas vidas: ―Era um o coração e a alma da multidão dos que criam, e ninguém dizia que coisa alguma do que possuía era sua própria, mas todas as coisas lhes eram comuns‖(At. 4:32). Um povo vivendo em um tempo na qual a lei do olho por olho, dente por dente reinava, passando por sucessivos conflitos e muitas vezes descumpriam ordens Divinas. No entanto, é interessante notarmos que os pobres poderiam viver sem necessitar de esmolas dadas pela hipocrisia humana, mas viviam de dádivas dadas pelo próprio Senhor e Deus de todas as coisas. Portanto, com muita tristeza vejo e digo, quão grande distância estamos da verdade Bíblica. O pagamento do dízimo na forma que se encontra é a prova fiel da ganância, injustiça, e a principal característica de um cristianismo capitalista, sem forma canônica, inspirado em desejos financistas. A igreja cristã moderna hoje é doutrinada por um demônio poderoso, o demônio da busca do lucro – o Capital, ou o desejo de riqueza material. Capítulo III A CASA DO TESOURO NÃO EXISTE MAIS CASA DO TESOURO 22 Beit Chabad no Brasil. Disponível em URL: www.chabad.org.br/biblioteca/artigos/maasser/home.html. 25
  26. 26. Expressão usada para designar: depósitos (celeiros, câmaras) no Templo de Salomão em Jerusalém, onde deveriam ser guardados as ofertas e os dízimos recolhidos pelos levitas. Os povos pagãos, também utilizavam a mesma expressão para identificar o celeiro no templo de seu deus (confira em Dn. 1:2). O cristianismo desde muito tempo através dos papas, padres, pastores, presbíteros e uma infinidade de igrejas e seitas, utilizam a cobrança do dízimo numa forma de ―manter‖ a igreja, pelos menos, é o que afirmam. Seria inútil justificar a cobrança do dízimo sem mencionar o versículo mais citado e explica nas igrejas hoje – Malaquias 3:10. O livro de Malaquias e, principalmente no capítulo 3 e verso 10, se encontra a sustentação e justificativa da cobrança, pois é justamente neste texto bíblico que se localiza a famosa ―casa do tesouro‖. Parece até bobagem querer comentar justamente o texto bíblico mais lido e comentado em toda a cristandade. Seria possível extrair, ainda que mínima possível, alguma novidade de Malaquias 3:10? Poderia os teólogos ter deixado de explicar algo ainda não explicaram sobre este versículo? Será que ainda existe algo por traz dos ensinamentos e pregações em Malaquias 3:10, que de forma intencional é mantido em oculto? Poderia existir em um versículo tão engrandecido e nobre como este, motivo que pudéssemos questioná-lo? Deus ou sua igreja, realmente precisam dos dízimos? A ―casa do tesouro‖ é ou não a Igreja de Cristo? Você sabe quem construiu a ―casa do tesouro‖? Se podemos encontrá-la em muitos lugares do mundo? Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja alimento na minha casa, depois fazei prova der mim, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal, que dela vos advenha a maior abastança (Ml. 3:10). A partir de agora você pode refletir e se possível aprender, aquilo que quase ninguém quer ensinar, e descobrir o que há de oculto por traz das pregações e ensinamentos dos pastores, padres ... Como por exemplo, quem construiu a ―casa do tesouro‖? Por que motivo Jesus nunca mencionou essa ―casa do tesouro‖, já que é sua igreja? Por que os apóstolos nunca obedeceram Malaquias 3:10? Pra onde ia os dízimos dos apóstolos? Os apóstolos pagavam ou não pagavam o dízimo? Para entendermos melhor o significado de ―casa do tesouro‖, termo bastante conhecido nos dias de hoje, devemos primeiramente descrever como, quando e onde surgiu essa expressão e, o que ela na realidade significa. Para chegarmos ao objetivo desejado basta nos orientamos pela Bíblia. 26
  27. 27. A ―casa do tesouro‖ localizava-se no Templo23 do Senhor em Jerusalém, construído por Salomão24: “... Dos átrios da casa do Senhor, e de todas as câmaras em redor, para os tesouros da casa de Deus, e para os tesouros das coisas sagradas;” (I Cr. 28: 12). Note a distinção entre os dois termos: ―casa do tesouro‖ seria somente as câmaras separas para depósitos e, casa do Senhor seria a totalidade do templo, mas somente com o Rei Ezequias identificamos claramente a ―casa do tesouro‖ e sua real função: "Então disse Ezequias que se preparassem câmaras na casa do Senhor; e as prepararam. Ali meteram fielmente as ofertas, e os dízimos, e as coisas consagradas; e tinha cargo disto Conanias, o levita maioral, e Simei, seu irmão, o segundo" (II Cr. 31:11-12). Como era de se esperar, nesta passagem a ―casa do tesouro‖ recebe outro nome, o de ―câmaras‖. Se em Malaquias a ―casa do tesouro‖ servia como centro de recolhimento dos dízimos, o mesmo acontecia antes de Malaquias, porém, eram as câmaras. No mesmo período Ezequias deu ordens aos levitas sobre como se daria o funcionamento destas câmaras, compartimentos similar a um celeiro, tendo como objetivo, 23 TEMPLO: “Em hebreu, casa grande, palácio, como em 1 Rs 1. 21; 2 Rs 20. 18; Dn 1. 4; 4. 14. (...) em geral, refere-se aos templos sucessivamente consagrados a Jeová em Jerusalém‖. DAVIS, John D. Dicionário da Bíblia. Trad. do Rer. J. R. Carvalho Braga. 2° Ed. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1960, p. 584. 24 O TEMPLO DE SALOMÃO: “A construção de uma casa permanente para substituir o tabernáculo ocupou sempre o pensamento de Davi, e, por isso, tratou logo no princípio de seu reinado, de armazenar os materiais necessários à realização de seu plano, 2 Sm cap. 7; 1 Rs 5. 3-5; 8. 17; 1 Cr. caps. 22; 28. 11, até cap. 29. 9. (...) Todo o material amontoado foi posto à disposição do rei Salomão para a construção do templo e ainda sobejou, 1 Rs 7. 51; 2 Cr 5. 1. Salomão deu princípio à obra no quarto ano de seu reinado e complementou-a dentro de sete anos e meio, 1 Rs 6. 1, 38.(...) O templo foi levantado sobre o Monte Moriá, no lugar que tinha sido mostrado a Davi seu pai, na eira de Ornã, jebuseu, 2 Cr 3. 1. O plano geral obedecia ao mesmo plano do tabernáculo; as dimensões eram em dobro e as ornamentações mais ricas. (...) Todo o interior era coberto de ouro purissím, 1 Rs 6. 20, 22, 30; e 2 Cr.3:7, et passim, e os muros, ornamentados com figuras de querubins, de palmas e de flôres. O santo dos santos media 20 cúbitos de cada lado com igual altura, 1 Rs 6. 16, 20. O espaço de quase 10 cúbitos de alto, compreendido entre o teto e a cobertura, servia provavelmente para as câmaras superiores, revestidas de ouro, 1 Cr 28. 11; 2 Cr 3. 9. A arca repousava no santo dos santos, 1 Sm.8:6, sob as asas de dois querubins colossais, feitos de pau de oliveira e cobertos de ouro. (...) O templo tinha dois átrios, o átrio dos sacerdotes e o grande átrio, 2 Rs 23.12; 2 Cr 4. 9; Jr 36. 10, separados entre si, tanto por diferença de nível, como por um pequeno muro, formado de três ordens de pedras cortadas e de uma ordem de cedro, 1 Rs 6. 36; 7. 12. No átrio dos sacerdotes, havia um altar de bronze para os sacrifícios, 8. 64; 2 Rs16. 14; 2 Cr 15. 8, quatro vezes maior do que o que havia no tabernáculo, 4. 1, e um mar de bronze e dez bacias também de bronze, 1 Rs 7. 23-39. O mar destinava-se à purificação dos sacerdotes; as bacias serviam para se lavar nelas tudo o que se houvesse de oferecer em holocausto, 2 Cr 4. 6. (...) O átrio exterior, ou grande átrio, destinava-se ao povo de Israel cp.1 Rs 8. 14, cujo pavimento era lajeado de pedra, cercado por um muro com porta ao lado, 4:9; Ez.40:5. Os babilônios saquearam e reduziram a cinzas este templo, quando tomaram Jerusalém no ano 587 A.C., 2 Rs 25. 8-17‖. Idem, ibidem, p. 584, 585. 27
  28. 28. guardar os dízimos e ofertas, mas somente os levitas poderiam receber os dízimos e o cuidado das câmaras (II Cr. 31:11 seg). Os babilônicos destruíram este templo em 587 a.C, sendo postos em cativeiro o povo de Israel. No final do cativeiro, já sob o domínio de Ciro, rei dos Persas, foi autorizado uma leva de judeus exilados retornar a Jerusalém e começa a reconstrução do segundo templo25, edificado sobre as ruínas do primeiro e finalizando a reconstrução em 516 a.C., já no segundo ano do reinado de Dario. E por fim, o suntuoso templo construído por Herodes26, terminado por volta de 62-64 a.C, que substituiu o segundo templo. 25 O TEMPLO DE ZOROBABEL: “Ciro, rei dos persas, autorizou a reedificação do templo com 60 cúbitos de alto e 60 de largura, Ed. 6:3; Antig. 11. 4, 6. (...) Deram-lhe começo no ano 537 A.C. no segundo ano depois da volta do cativeiro. Depois de muitas e tenazes oposições por parte dos habitantes de Samaria, foi concluído no ano 315 A.C. no sexto ano de Dario, Ed 3. 8; 6. 15; cont. Apiom, 1. 21. Ignora-se tudo quanto às dimensões das outras partes. Contudo, acompanharam o plano do antigo templo de Salomão, mas sem tanta magnificência. (...) Grande parte dos primitivos vasos do templo foram restaurados. Adotaram a mesma divisão do santo dos santos o santuário, separados por um véu, 1 Mac 1. 21, 22; 4. 48, 51. O santo dos santos estava vazio: a arca havia desaparecido (Cícero pro Flaco, 28; Tácito, Hist. 5. 9). O santuário tinha o altar dos incensos, um só candeeiro e a mesa dos pães da proposição, 1 Mac 1. 21; 4. 49. Os quartos externos estavam unidos à casa do Senhor, Ne 10. 37-39; 12. 44; 13. 4; 1 Mac 4. 38, que era cercada de átrios, Ne 8. 16; 13. 7; Antig. 14. 16, 2. Tinha um mar de bronze, Ecclus.1. 3, e um altar para os sacrifícios, Ed 7. 17, construído de pedras, 1 Mac 4. 44-47. O átrio dos sacerdotes era eventualmente separado por uma balaustrada, Antig. 13. 13, 5. O templo e suas dependências eram defendidos por meio de portas, Ne 6, 10; Mac 4. 38‖. Idem, ibidem, p. 585 26 O TEMPLO DE HERODES: Excedeu muito o de Zorobabel. Josefo o descreve-o minuciosamente por haver assistido à sua construção, Antig. 15. 11; Guerras 5. 5. Muitos dos materiais foram tirados das ruínas do antigo templo. A construção começo no décimo oitavo ano do reinado de Herodes, 19 A.C. O edifício principal foi construído pelos sacerdotes em um ano e meio e os átrios, em oito anos, 11 ou 9 A.C.; mas resto da obra só terminou no tempo do procurador Albino, 62-64 A. D. (...) O santo dos santos estava vazio, separado por um véu, Guerras 5. 5, 5. A ruptura deste véu por ocasião da morte de Cristo, quando houve o terremoto, significava que o caminho para o trono das misericórdias estava franqueado pela mediação do sumo sacerdote Jesus, a todo sincero adorador, Mt 27. 51; Hb 6. 19; 10. 20. (...) Todo o edifício media 100 cúbitos de cumprimento e 54 de largura, e incluindo as duas alas da frente, 70 cúbitos de largura. (...) Havia doze degraus por onde se passava do vestíbulo para o átrio dos sacerdotes. Este átrio cercava todo o edifício. Nele estava o altar dos sacrifícios, cuja altura era de 15 cúbitos, com base de 50 cúbitos. Segundo Mishna era construído de pedras tôscas, diminuindo de 32 para 24 cúbitos da base para o cimo. Chegava-se a ele por um plano inclinado. Estava em uso o mar de bronze (Mishna). A parte ocidental que cercava o átrio dos sacerdotes destinava-se ao povo de Israel, e só entrava homens nele. O átrio das mulheres ficava para o lado do nascente. Chegava-se a ele, saindo do átrio dos homens por uma porta espaçosa que se abria no centro do muro divisório, descendo por uma escada de quinze degraus. Somente os israelitas poderiam entrar. As mulheres não deveriam passar além. Os três átrios, juntamente com o templo, estavam dentro do chel, ou recinto sagrado. Havia três ordens de muros divisórios: o muro que separava o átrio de Israel e das mulheres, já mencionado, muito parecido a uma fortaleza por ser de grande espessura, cp. Guerras 6. 4, 1, o terraço cuja superfície plana tinha 10 cúbitos de largura, no topo, e na base, mais um muro de 3 cúbitos de altura com pilares contendo inscrições, proibindo a entrada a pessoas estranhas ao povo de Israel. Dizia uma delas em grego: "É vedada aos gentios a passagem para dentro deste muro e bem assim do fecho que cerca o santuário, sob pena de morte". Estas divisões davam entrada por nove portas, Ef 2. 14, forradas de ouro e prata, quatro ao norte e quanto ao sul. (...) No ângulo noroeste estava a torre de Antônia. Excerto em um ponto era cercado de magníficas colunas cobertas, ou claustros, (...) A que ficava ao oriente do átrio representava as relíquias do primitivo templo e denominava-se alpendre de Salomão, Jo 10. 23; At 3. 11; Antig. 20. 9, 7; Guerras 5. 5, 1. Era 28
  29. 29. nesta parte que os cambiadores tinham as suas mesas e que os comerciantes vendiam o gado destinado aos sacrifícios, Mt. 21. 12; Jo 2. 14. Finalmente todo o recinto sagrado era fechado de grossas muralhas (...) Durante o sítio de Jerusalém pelos romanos, no ano 70 da era cristã, os judeus converteram o templo em fortaleza de guerra e lançaram fogo aos claustros externos. Um soldado romano, contra as ordens do general Tito, incendiou o templo reduzindo a cinzas todas as construções de madeira, Guerras 6. 3, 1; 4. 5; cp. 5. 1; 9. 2. Depois disto os conquistadores deitaram abaixo os muros, 7. 1, 1. No lugar do antigo templo, o imperador Adriano edificar um templo a Júpiter Capitolino, ano 136. O imperador Juliano, cognominado apóstata, no ano 363, mandou reconstruir o templo, com o fim de desmentir a profecia de Cristo, Mt 24. 1, 2, plano que fracassou por causa da irrupção de labaredas que saíam dos alicerces. A mesquita de Omar ali construída ocupa o local do antigo templo. O explorador Warren esteve lá, entre fevereiro de 1867 e abril de 1870; fez sondagens nos entulhos espalhados pelo monte Moriá, chegando a 100 e 125 pés de profundidades. Ainda se vêem as pedras angulares do templo, que tem 14 a 15 pés de cumprimento e 3 ¹/² a 4 ¹/² de espessura. Algumas das pedras existentes no ângulo meridional contêm inscrições fenícias que parecem datar dos tempos de Herodes ou de Salomão. Os muros que cercavam a área do templo tinham 1000 pés de cumprimento, e a plataforma onde estava o lugar santo, era amparada por um contra-forte de 200 pés de altura acima do vale que lhe ficava por baixo. Finalmente uma das inscrições existentes, tendo sido restaurada, diz que era vedado o ingresso no segundo átrio, aos estrangeiros‖. Idem, ibidem, p. 585,586, 587. os grifos são nosso 29
  30. 30. Esse templo era único e de uso exclusivo dos judeus, não se permitia à entrada de estrangeiros (gentios), sendo sentenciado a morte o gentio (estrangeiro, que não fosse judeu) caso adentrasse templo. Baseado-se nas Escrituras, percebemos que o processo doutrinário da igreja ―cristã‖ moderna foi deturpado. Agora sabemos que essa gloriosa ―casa do tesouro‖, não passa de um depósito. Bem como, os gentios não poderiam adorar a Deus neste templo, muito menos levar o dízimo a ―casa do tesouro‖ ou as câmaras. A professora Jane Bichmacher especialista em Cultura Hebraica, afirma que o ― Elul era o Ano Novo do Gado: no primeiro dia deste mês, retirava-se o dízimo (1/10 dos animais nascidos nos últimos 12 meses) e doava-se ao Beit HaMikdash, Templo de Jerusalém‖, como também no ―Ano Novo das Árvores os 30
  31. 31. dízimos dos frutos, que devia ser entregues aos levitas na época do Templo, numa jornada festiva‖27. Você crer que Deus habita em um depósito (câmaras, casa do tesouro)? A Bíblia diz: Também no mesmo dia se nomearam homens sobre as câmaras, para os tesouros, para as ofertas alçadas, para as primícias, e para os dízimos, para ajuntarem nelas, das terras das cidades, as porções designadas pela lei para os sacerdotes e para os levitas; porque Judá estava alegre por causa dos sacerdotes e dos levitas que assistiam ali, (Ne. 12:44). E fizeram lhe uma câmara grande, onde dantes se metiam as ofertas de manjares, o incenso, e os vasos, e os dízimos do grão do mosto, e do azeite, que se ordenaram para os levitas, e cantores, e porteiros, como também a oferta alçada para os sacerdotes (Ne. 13:5). (o grifo é nosso) Os levitas às utilizava somente para fins de armazenamento de cereais e às vezes objetos valiosos utilizados no templo. Na Bíblia não encontramos relatos afirmando que os levitas faziam oração na ―casa do tesouro‖, cultuavam a Deus na ―casa do tesouro‖. Os únicos textos das Escrituras que faz menção ao termo ―casa do tesouro‖, são os profetas Daniel (1:2, em alusão a templo pagão) e Malaquias (3:10). Isso nas versões modernas da tradução João Ferreira de Almeida, mas em outras versões não há menção do termo ―casa do tesouro‖ – Malaquias 3:10. Veja a diferença entre as traduções:  Trazei os dízimos integral para o tesouro a fim de que haja alimento em minha casa...‖ (Bíblia Vozes. Malaquias. Tradução de Emamuel Bouzon. Editora Vozes28)  Trazei todos os dízimos à casa do Tesouro, para que haja mantimento na minha casa...(Bíblia Sagrada. Versão Revista e Atualizada. Tradução de João Ferreira de Almeida. Sociedade Bíblica do Brasil29)  Eu, o SENHOR Todo-Poderoso, ordeno que tragam todos os seus dízimos aos depósitos do Templo, para que haja bastante comida na minha casa ... (Bíblia Sagrada. Nova Tradução na Linguagem de Hoje. Sociedade Bíblica do Brasil30) 27 Jane Bichmacher de Glassman e Doutora em Língua Hebraica, Literaturas e Cultura Judaica – USP; Professora Adjunta, Fundadora e ex-Diretora do Programa de Estudos Judaicos – UERJ, escritora. Disponível em URL: www.riototal.com.br/comunidade-judaica/juda1g0.ham, 28 BÍBLIA VOZES. Isaías 1-39, Jeremias, Profetas Menores. Trad. Emanuel Bouzon. Petrópolis(RJ): Vozes, 1992. 29 BÍBLIA SAGRADA. Versão Revista e Atualizada. Trad. João Ferreira de Almeida. Barueri (SP): Sociedade Bíblica do Brasil, 2000. 30 BÍBLIA SAGRADA. Nova Tradução na Linguagem de Hoje. Barueri (SP): Sociedade Bíblica do Brasil, 2000. 31
  32. 32.  Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa...(Bíblia Sagrada. Versão Revista e Corrigida. Tradução de João Ferreira de Almeida. Imprensa Bíblica do Brasileira31)  Trazei integralmente o dízimo para a sala do tesouro. Que haja alimento na minha Casa... (A Bíblia Teb. Tradução Ecumênica. Edição Loyola – Co-edição Paulinas32)  Tragam o dízimo completo para o cofre do Templo, para que haja alimento em meu Templo... (Bíblia Sagrada. Edição Pastoral. Tradução de José Luiz Gonzaga do Prado33)  Levai todos os vossos dízimos ao meu celeiro, e haja mantimento na minha casa... (Bíblia Paumape. Tradução de Antonio Pereira de Figueiredo. Editora PAUMAPE34)  Levai todos os vossos dízimos ao (meu) celeiro, haja alimento na minha casa... (Bíblia Sagrada. Tradução da Vulgata pelo Pe. Matos Soares. Edições Paulinas 35). Os grifos são nosso Note as diferenças gritantes nas traduções e versão da Bíblia. Além da falta de consenso nas traduções e versões da tradução João Ferreira de Almeida (mais usada pelos evangélicos), ainda temos nos deparado com pregadores mercenários, que sem escrúpulos utilizam erroneamente este texto de Malaquias para legitimar a extorsão financeira através de um suposto mandamento ―cristão‖. Não é nosso interesse demonstrar qual tradução é mais exata ou fiel, mas o mérito em questão, consiste em demonstrar que a expressão ―casa do tesouro‖ é uma adaptação para melhor se adequar as pregações e cobranças do dízimo nas diversas igrejas cristãs de hoje. Haja vistas, sempre compararmos a palavra ―casa‖ com ―igreja‖, e nesse caso não se trata de uma casa, mas de um depósitos, câmara, celeiro ou sala, existente no grande Templo de Jerusalém para fins de armazenamento dos dízimos e utensílios de uso exclusivo do templo. Vale lembrar que somente os levitas em conformidade com lei de Moisés poderia recolher e manusear os dízimos e utensílios nas câmaras, ―casa do tesouro‖ ou celeiro. E claro, dessa forma, ninguém mais diria que a suposta ―casa tesouro‖ (celeiro, câmaras, depósito, sala ou cofre) corresponderia a ―Igreja de Cristo‖. 31 BÍBLICA SAGRADA. Versão Revista e Corrigida. Trad. João Ferreira de Almeida. 4° ed. Rio de Janeiro: Co-edição (JUERP) Imprensa Bíblica Brasileira, 2001. 32 A BÍBLIA TEB. Trad. Ecumênica. São Paulo: Edições Loyola-Co-edição Paulinas, 1995. p. 697 33 BÍBLIA SAGRADA. Edição Pastoral. Trad. José Luiz Gonzaga do Prado. Edições Loyola-Co-edição Paulinas, 1995. 34 BÍBLIA PAUMAPE. Trad. Antonio Pereira de Figueredo. São Paulo:Editora PAUMAPE, 1979. 35 BÍBLIA SAGRADA. Trad. da Vulgata pelo Pe. Matos Soares. São Paulo: Edições Paulinas, 1980. 32
  33. 33. O próprio João Ferreira de Almeida, primeiro tradutor da Bíblia para o português, evitou usar a expressão ―casa do tesouro‖. Ele traduz assim: 10. Trazei todos os dízimos ao celleiro, e aja alimento em minha cafa; e então provai-me nifto, diffe o Senhor dos exercitos: fe eu não vos abrirei as janellas dos ceos, e vazarei fobre vosoutros bendição, até que não cayba mais. 10. Trazei todos os dízimos ao celeiro, e haja alimento em minha casa; e então provai-me nisto, disse o Senhor dos exércitos: se eu não vos abrirei as janelas dos céus, e derramarei sobre vós outros bênção, até que não caiba mais. Esta cópia corresponde a impressão da Bíblia em português feita em ―Trangambar (Índia), datada de 1732‖36. Note que o tradutor usou a palavra correspondente a sua função – celeiro. O tradutor indica na página acima citada a referencia similar em Neemias cap. 13 v. 5, 12, 13, observe: ―Todo o Judá trouxe os dízimos do grão, do vinho e do azeite aos celeiros. Por tesoureiros dos depósitos pus a Selemias, o sacerdote ...‖(Ne. 13:12-13). João Ferreira de Almeida afirma que esse versículo em Neemias é igualmente correspondente em Malaquias 3:10. Nossas dúvida em relação a tal ―casa do tesouro‖ findam aqui. Jesus não habita em celeiros, Ele próprio afirmou que sua casa, seria casa de oração, no entanto, a igreja moderna a transformou numa casa de comercialização. As palavras de Jesus ilustram a realidade da 36 Sociedade Bíblica do Brasil. Museu da Bíblia: Acervo Virtual. Disponível em URL: www.sbb.org.br . destaque nosso 33
  34. 34. igreja: ―E disse-lhes: Está escrito: A minha casa será chamada casa de oração – mas vós a tendes convertido em covil de ladrões‖ (Mt. 21:13). Esta é a prova cabal, desde que mudaram a ―casa de oração‖ para ―casa do tesouro‖, realmente transformaram-na em ―covil de ladrões‖. O problema que envolve um cristã no ato de dízimas não para por aqui. As famosas ―casa do tesouro‖ eram localizadas no Templo do Senhor em Jerusalém, eis que na descrição do templo supra citada havia o decreto de proibição se um gentio adentrasse nas dependências do templo. Perceber como as diferenças de judeus e estrangeiros eram enormes. Então, como os gentios podem pagar dízimo? Pois se entrassem no templo seriam condenados à morte. Outro problema no meio cristão são os teólogos que insistem em ensinar errado deturpando de forma criminosa a verdadeira mensagem do nosso Salvador. Reconhecemos que não são todos os teólogos, entretanto, os que exercem a função de pastor, irresponsavelmente perpetuam e fortalecem o covil de ladrões. Fazem questão de afirmar que essas câmaras, a ―casa do tesouro‖ de Malaquias 3:10, é a mesma "Igreja de Cristo", observe o parágrafo abaixo: Usaremos agora como ponto de partida para prova nossa argumentação, um trecho do estudo Bíblico - ―Mordomia do Dízimo‖, de autoria do teólogo pr. Fernando Fernandes, onde o mesmo diz: O texto de Malaquias é muito claro. O dízimo deve ser entregue na casa do Tesouro, isto é, na Igreja de Jesus Cristo em ato de adoração e culto solene. Fala-se em cristãos que dão o seu dízimo parte em casas filantrópicas e parte na Igreja. Este não é o método Bíblico que manda trazer todo dízimo a casa do Tesouro e conseqüentemente o dízimo todo para a administração da Igreja. O crente não deve fazer as coisas conforme sua conveniência somente, mas de acordo com a consciência de Deus, refletindo nos ensinos da 37 Bíblia, a sua Palavra Santa e Infalível . Esse comentário é biblicamente insustentável, ou seja, não existe referência Bíblica que legitime tal comentário. O tema central do comentário do Pastor Fernando Fernandes é o dízimo que deve ser entregue na ―casa do tesouro‖, sendo por ele considerada a Igreja de Jesus Cristo. Além de não existir base Bíblica que sustente esse comentário, é um comentário mentiroso. Vários fatores nos levam a provar isso: 37 Pastor Fernando Fernandes. Pr. da 1ª Igreja Batista de Penápolis - ISP e Prof. No Seminário Teológico Batista de São Paulo.O texto foi extraído da Declaração Doutrinária – Lição 9: MORDOMIA. HERMENÊUTICA BÍBLICA Apostila de estudos e métodos para interpretação bíblica (PIB em Penápolis – 11/01/2001). 34
  35. 35. 1º- ―Quando ele afirma 'o dízimo deve ser entregue na casa do Tesouro, isto é, na Igreja de Jesus Cristo...‖ Podemos perceber que não usa nenhuma referência Bíblica para prova. 2º- ―Fala-se em cristãos que dão o seu dízimo parte em casas filantrópicas e parte na Igreja. Este não é o método Bíblico‖. Na época de Moisés (Antigo Testamento) não existiam instituições filantrópicas, mas se existissem, provavelmente parte dos dízimos seriam destinados a elas. O livro de Deuteronômio registra o verdadeiro método de pagamento do dízimo: parte era distribuída entre os pobres: órfãos, viúvas, escravos e estrangeiros, até mesmo comido próprio dizimista. Também acho que a ―casa do tesouro ( a suposta Igreja de Cristo)‖ ficava em lugar secreto e misterioso, pois desconhecemos qualquer referencia da ida dos apóstolos a essa casa do tesouro. No entanto, se a casa do tesouro era para os dízimos, a casa de oração, seria para oração, certo? E os dízimos dos apóstolos pra onde iam? Nas igreja tem-se desenvolvido um sistema herético em relação a doutrina que inclui o dízimo como mandamento cristão. Mas percebe-se que na verdade na igreja segue uma racionalidade econômica, inclusive traçando metas econômicas a serem atingidas. O resultado é o mais desastroso possível, são criados na imaginação dos lideres de igrejas fatos antibíblicos, como maldições, tentam comprovar que está em pecado quem não paga o dízimo, tudo com o objetivo mesquinho de atingir as metas econômicas. Confira: Como agência do Reino de Deus a igreja está credenciada para gerenciar os seus negócios do Rei quer sejam especificamente espirituais ou materiais. Se houver falha na mordomia da administração do dízimo por parte da igreja, o membro tem direito de questionar e até de orientar a correção, mas nunca de tomar atitudes pessoais para as quais não foi credenciado por Deus. É pecado, conforme o preceito bíblico, o cristão arrogar-se o direito de aplicação e 38 administração do seu próprio dízimo . (grifos nosso) O conteúdo destes argumentos é totalmente ridículo. Esse teólogo considera a igreja uma ―agência do Reino de Deus‖ credenciada para gerenciar os ―negócios do Rei‖ (Jesus), sejam ―espirituais ou materiais‖. Observe que o pr. Fernando Fernandes utiliza palavras muito conhecidas no campo da economia moderna, deixando transparecer que a igreja estar inserida no atual sistema de organização social e financeira – o Sistema Capitalista. Não sabe ele que Jesus nunca nos deu ordens referente a preocupação material e, que o próprio Jesus sendo Rei, não possuía bens. Ora, até o jumento que Jesus montou quando entrou triunfante em Jerusalém, era emprestado. 38 Ibid. 35
  36. 36. O teólogo, ainda é categórico em julgar, considerando pecado o cristão que administra o seu próprio dízimo. As doutrinas cristãs da atualidade possuem um ponto de partida e um objetivo bem definidos – o dinheiro, oriundos das vendas de curas, milagres, e uma vida prospera. Se a igreja é a agência, o cofre seria a ―casa do tesouro‖ ou o bolso do pastor. É notória a selvageria do nosso modelo sócio-financeiro-religioso, gerador de profunda miséria, transformando o homem num ser irreconhecível e soberbo. Mas fomos avisados sobre isso: Sabe-se, porém, isto: Nos últimos dias sobrevirão tempos difíceis; pois os homens serão amantes de si mesmos, gananciosos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeição natural, irreconciliáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, atrevidos, orgulhosos, mais amigos dos prazeres do que amigos de Deus ( II Tm. 3:1-4). A doutrina dos dízimos da forma como é ensinada hoje, pode e deve ser classificada como doutrina de demônios e, considerar a Igreja de Cristo a mesma ―casa do tesouro‖ é uma blasfêmia. É inaceitável heresias desse tipo, afirmar que a Igreja de Cristo é simplesmente um compartimento que serve para guardar 10% da produção do campo ou de riquezas materiais de um determinado seguimento religioso. Se aceitarmos a obrigatoriedade do pagamento do dízimo, mesmo assim teríamos uma série de agravantes. Primeiramente, o mesmo é ordenança da lei Antigo Testamento, outra, só os levitas podem receber; muitos de nós, não trabalha na área rural e mesmo se trabalhasse, a produção seria do dono da terra e não nossa, a não ser que terra fosse nossa, então, assim poderíamos separar o dízimo. E caso dedicássemos 10% de nosso salário oriundo de qualquer fonte, também não poderia assumir a forma de dízimo de hoje, em virtude dos pobres não recebem nada desse contribuição obrigatória. O mais intrigante, a casa do tesouro não existe mais, somente na imaginação de pregadores mercenários, dos lobos malditos sedentos por riqueza material. Pois as câmaras no Templo de Deus em Jerusalém deixou de existir, no qual foi destruído pelos Romanos no ano 70 depois de Cristo, restando apenas uma parte do muro em ruínas ( o Muro das Lamentações). 36
  37. 37. Muro das Lamentações foto: www.paises-asia.com E caso existisse esse templo, nós como estrangeiros não poderíamos entrar, automaticamente ficaria impossível pagar. A não ser que distribuíssemos o dízimo para os órfãos, viúvas, estrangeiro e, nós mesmos pudéssemos participar (comer) dos dízimos, no entanto, o pastor Fernando e nenhuma igreja hoje aceitam que se faça caridade com os dízimos e nem que seja entres a instituições filantrópicas, mas somente na casa do tesouro. Concluímos que os dízimos na verdade vão para o bolso dos padres, pastores, bispos e demais dirigentes de igrejas, esses bolsos são chamados hoje de ―casa do tesouro‖. Para ilustrar melhor nossa denúncia contra a falsa igreja cristã, que vê no dízimo (dinheiro) uma fonte de bênção e até um princípio de salvação, observe o que diz o Rabino Alberto Cohen quando indagado: ―Como funciona o pagamento do dízimo para o povo Judeu de hoje‖. Ele respondeu assim: CARO ADRIAN, HOJE EM DIA O DIZIMO DENTRO DO JUDAISMO NÃO É OBRIGATORIO. POREM MUITOS OS FAZEM, E É DEDICADO PARA INSTITUIÇÕES E ENTIDADES DE CARIDADE.39 No início de meus estudos, desde o ano de 2002, no intuito de identificar claramente na Bíblia a observância do dízimo como mandamento cristão, pude ler o estudo do pastor Fernando Fernandes naquele mesmo ano. Entrei em contato com ele, onde tive a oportunidade de por em prática um pouco do que havia ―descoberto‖ ou simplesmente divulgado o que a própria Bíblia denuncia. Nessa ocasião enviei-lhe um pequeno trabalho Bíblico indagando 37
  38. 38. principalmente qual apóstolo havia pagado ou cobrado o dízimo e, se Cristo manda cobrar dízimo? A resposta que recebi foi: Muito obrigado por ter lido o meu estudo e por ter emitido a sua opinião. Pena que a sua hermenêutica seja distorcida e dissociada do contexto geral da Bíblia. Te aconselho estudar um pouco de Hermenêutica Bíblica e também sobre a Doutrina da Mordomia.40 Cabe a você fazer suas considerações sobre o rabino e o pastor. 39 O Rabino Alberto Cohen, é o Rabino responsável pelas consultas ao site da Revista Morashá – Pergunte ao Rabino (é uma revista judaica). A resposta veio através de correio eletrônico no dia 10/06/2005, 19:41h. 40 A resposta veio através de correio eletrônico no dia 28/06/2002, 08:01hs. "Pr. Fernando Fernandes" <prfcf@terra.com.br> 38
  39. 39. Capítulo IV MALAQUIAS - O PESO DAS PALAVRAS DO SENHOR CONTRA ISRAEL MALAQUIAS Nome de um profeta, escritor do ultimo livro do Antigo Testamento, Ml 1. 1. Nada se conhece a seu respeito além do que se lê no seu livro. De acordo com o significado do nome, 3. 1, alguns supõe que este nome Malaquias, não é o próprio nome do escritor, e sim a designação de um profeta, que talvez seja Esdras. Porém, como todos os onze profetas menores que o precederam, tenham os seus nomes prefixados às suas traduções, é de supor que assim seja com a profecia de Malaquias. (...) No tempo desta profecia, o povo judeu não tinha rei, era regido por um governador, Ml 1. 8, talvez um persa, nomeado pelo imperador, Ne 5. 14. O templo que Zorobabel havia levantado estava em pé, e também o altar; ofereciam-se sacrifícios como dantes, 2. 7-10, concluindo, pois que Malaquias foi posterior a Ageu e Zacarias. Porém, as manifestações de nova vida religiosa, que irrompeu logo depois da volta do cativeiro de Babilônia, de que tinha resultado a reconstrução do templo e das fortificações da cidade, tiveram tempo suficiente, para se expandir. Sacerdotes e levitas haviam-se corrompido. A data 41 deste livro, segundo Vitringa, é 420 e segundo Davidson, 460-450, A. C . O Eterno se manifestou contra Israel através das profecias descritas no livro de Malaquias para adverti-los sobre as maldições que poderiam vir sobre Israel caso continuassem a descumprir a Lei de Moisés (Ml. 4:4). O profeta esta anunciando a vontade de Deus para os judeus e não para os cristãos como muitos pensam. É também interessante a similaridade existente entre o livro de Esdras e de Malaquias, pois os dois mencionam a corrupção do povo judeu. No comentário de rodapé da Bíblia na Edição Bíblia de Jerusalém o comentador afirma ser Esdras o autor do deste livro: ―‘Malaquias‘ significa ‗meu mensageiro‘ e foi assim que o grego traduziu, acrescentando ‗ponde, pois, (isto) em vosso coração‘. Targ. ‘meu mensageiro, cujo nome é Esdras, o escriba‘‖42. A pesar de não haver comprovação da autoria de Esdras. Todavia, existe um certo consensos entre os estudiosos sobre o assunto. Então, mais uma vez temos provas suficientes para discorda da expressão ―casa do tesouro‖ usada nas traduções modernas, com o objetivo falacioso de compararem a ―casa do tesouro‖ com a ―Igreja de Cristo‖, com o nefasto desejo de falsear a verdade para legitimar a cobrança dos dízimos. No livro de Esdras ele faz referencia as câmaras do templo (Es. 8:29). Observe o formato do Templo construído pelo rei Salomão: 41 DAVIS, John D. Op. Cit., p. 373. A BÍBLIA DE JERUSALÉM. Jeremias, Profetas menores. Trad. Emanuel Bouzon. São Paulo: Edições Paulinas, 1999. P. 1267 39 42
  40. 40. As maldições proferidas pelo profeta correspondem única e exclusivamente ao povo hebreu, não só aos dízimos, mas a qualquer ato de desobediência escritos no Torá, como o sacrifícios de animais doentes, casamento com mulheres estrangeiras. Veja o comentário, capitulo por capitulo: Malaquias - Cap. 1 O Senhor fala contra Israel; o Senhor diz que os ama; eles duvidam; Deus prova (mostra) ao povo de Israel; eles verão o Amor de Deus e O engrandecerão; os sacerdotes desprezam o nome de Deus; desrespeitam o Altar de Deus oferecendo pão imundo; desagradam Deus sacrificando animais cegos, coxos e enfermos; o profeta repreende o povo para suplicarem o favor de Deus, mas continuam com más ofertas; o Senhor não tem prazer no povo e não aceitará as ofertas visto não cuidarem das coisas do Senhor; Deus será engrandecido em todo o mundo; profanam o nome do Senhor; o Senhor dos Exércitos adverte novamente sobre ofertas de animais defeituosos. 40
  41. 41. No primeiro capítulo de Malaquias, percebemos o povo de Israel desonrando o nome do Senhor, em virtude de oferecerem ofertas impuras e imundas no Templo de Deus, descumprindo assim várias Leis e estatutos ordenados pelo Senhor a Moisés para o povo de Israel no que tange a proibição em ofertar animais defeituosos, como coxo, cego, enfermo. (Lv 22: 19, 20, 21, 22, 23), como também pães imundos. (Nm. 25: 30; Lv. 24: 7; Ne. 10: 33; I Cr. 9: 32), o povo estava rebelde e corrompido para com Deus. Malaquias - Cap. 2 Deus adverte diretamente os sacerdotes corruptos, caso continuem a desonrar o nome do Senhor. Esses sacerdotes seriam continuamente amaldiçoados; eles reconhecerão a aliança de vida e de paz feita por Deus com Levi; os Sacerdotes deviam ser verdadeiros, e honestos, pois detinham o conhecimento e para isso deveriam instruir os homens a retidão; no entanto os sacerdotes levitas eram corruptos e se desviavam da lei, fazem com que outros tropeçassem na lei, corrompendo a aliança com Levi, em virtude disso, Deus os torna desprezíveis e indignos diante do povo; o povo de Israel se torna desleal aos mandamentos de Deus, comete abominações e Judá feriu a Santidade do Senhor casando-se com filhos de Deuses estranhos; eles ainda agiam de forma falsa, chorando no Altar do Senhor; os homens estavam sendo desleais às companheiras; Deus repudia o divórcio e a violência, com o povo corrompido estava-se gerando muitos divórcios e atos violentos no meio dos judeus; aborreciam a Deus ao afirmarem que Deus era injusto e se agradava de pessoas más, então Deus finaliza dizendo ―onde está o Deus do juízo?‖. Assim como o profeta já havia afirmado sobre a corrupção dos sacerdotes (1: 6), em seguida profetiza com mais veemência o corrompido sacerdócio daquela época (2: 1, 2, 3), desprezavam o nome de Deus; eram desleais à aliança de Deus com Levi, descumpriam a Lei levando-os a cometerem abominação. O capítulo dois, também nos revela o descaso para com o nome do Senhor, já que os levitas deveriam ensinar o povo a andar nos mandamentos divino - "sendo eles honestos e justos" - onde na realidade isso não acontecia. Imagine o restante do povo! Como conseqüência dos desvios da lei, veremos os homens de Judá (2:11) se casarem com filhas de deuses estranhos, que introduziram idolatria e destruição em Israel, mesmo sabendo das maldições que poderiam recair sobre o povo. O descaso é tremendo, eles se divorciando (2: 6). Traiam suas mulheres gerando violência. Contudo ainda acusavam Deus de se agrada dos seus malfeitos (2: 17). 41
  42. 42. Malaquias - Cap. 3 Precursor de Cristo - o anjo que prepararia o caminho do Senhor; o Senhor virá como fogo e purificaria os filhos de Levi, responsáveis pelo trabalho no templo, mas estavam corrompidos; As ofertas de Judá e Jerusalém voltaram a ser puras e justas como nos primeiros anos, depois de terem entrado na Terra prometida; o Senhor será a favor de todos os retos nos seus caminhos e condenarás todos os que praticam iniqüidade; Deus afirma não destruir os Judeus, pois manteria a aliança com Jacó e por causa dessa promessa poderiam ainda viver; o povo israelita por várias vezes se desviou dos mandamentos do Senhor. No entanto, Deus os repreendiam, eles se convertiam dos maus caminhos, mas no tempo do profeta Malaquias era diferente, apesar de todas as abominações eles rejeitavam as advertências e ainda se perguntavam em que erravam? O profeta continua indagando o povo de seus erros, da mesma forma o povo retomava perguntando: que roubamos a Deus? O profeta continuava a repreendêlos dizendo: nos dízimos e nas ofertas alçadas (dízimo dos dízimos ou 10% de 10%). A corrupção dos Judeus era tanta que ousavam descumprir mais uma lei dada por Deus a Moisés, na qual ordenava o pagamento de 10% do fruto da terra (Lv. 27: 30 - 34) e a oferta alçada 10% de 10% (dízimo dos dízimos, Nm. 18: 26). Em virtude de não cumprirem essa ordenança todo o povo Israelense seria amaldiçoado, visto que, de acordo com a Lei, o pagamento traria bênção e o não pagamento maldição; os Israelitas tinham a obrigação de levar os dízimos para a casa do tesouro, para poder haver mantimentos para todos os Levitas que faziam a manutenção no templo do Senhor. Caso isso fosse feito, Deus prometia bênção, nada iria lhes faltar; com o cumprimento das ordenanças, Deus não deixaria o devorador consumir a produção da terra, o campo não seria estéril e todas as nações veriam a prosperidade do povo de Israel e o chamariam bem aventurada; chegaram momentos em que os Judeus não observavam as Leis de Deus, e ainda ensinavam contra, não querendo servi a Deus; os judeus duvidavam da justiça do Senhor dos Exércitos; judeus fiéis ao Senhor tinham fé e esperança, permanecendo sempre a serviço do Senhor. Eles serão um tesouro particular para Deus, pois sempre percebemos a diferença do verdadeiro servo de Deus e dos falsos servos de Deus. A pesar desse capítulo ser o mais utilizado para ensinar os fiéis cristãos a pagarem o dízimo, proferindo essas mesmas maldições de forma assustadora, causando um falso entendimento do capítulo e com isso, gerando grandes lucros para os donos de igrejas. Na realidade você não estar pagando, mas sim, sendo extorquido. As profecias descritas em Malaquias, corresponde as pragas nas plantações e nas criações de animais (produção do campo), os períodos de secas, e um solo pobre, as pragas de gafanhotos etc., este sim seria o 42
  43. 43. tal ―devorador‖ mencionado em Malaquias, mas a igreja ―cristã‖ moderna insiste em adotar o tal devorador para aterrorizar seus ineptos fieis. Malaquias Cap. 4 Deus fala dos acontecimentos e juízo para os servos da impiedade; a esperança salvadora para os justos; a recompensa dos ímpios; o profeta mais uma vez lembra o povo Judeu para cumprirem a lei de Moisés dada Horebe para todo o Israel; Deus em sua grande Misericórdia da mais uma chance ao povo, enviava o profeta Elias para convertê-los antes de sua grande vinda. Considerando tudo o que diz o profeta, concluímos a existência de vários fatos convergentes e comprobatórios da depravação que ocorria naquele tempo. A iniqüidade se alastrava, Deus teve que recorre às maldições antes firmadas na Lei de Moisés e somente através da obediência as mesmas, o povo de Israel seria abençoado. No capítulo três, o mais interessante é o fato do profeta fazer registro da vinda do anjo do concerto, ou seja, o anunciador pré-cristão, incumbido de preparar o caminho do Senhor Jesus. O anjo do concerto é o próprio João Batista, visto que com ele se encerra a lei de Moisés, "A lei e os profetas duraram até João, desde então é anunciado o reino de Deus, e todo o homem emprega força para entrar nele". (Lc. 16: 16). Isso prova que o Antigo Testamento terminar com a vinda de João. Ele era descendente de Levi, no entanto, levava uma vida totalmente diferente do povo Judeu. Confira: João nasceu sacerdote (Lc 1:5, 13). De acordo com os preceitos da lei,ele deveria usar a veste sacerdotal, feita principalmente de linho fino (Êx 28:4, 40-41; Lv 6:10; Ez 44: 17-18), e deveria alimentar-se da comida sacerdotal, composta basicamente da flor da farinha e da carne dos sacrifícios oferecidos a Deus pelo povo (Lv 2:1-3; 6:16-18;2-26; 7:31-34). Entretanto, João agiu de modo totalmente diferente. Usava veste de pêlos de camelo e cinto de couro, e comia gafanhotos e mel silvestre. Todas essas coisas eram incivilizadas e rudes, e não estava de acordo com os preceitos religiosos. O fato de ele, como sacerdote, usar veste de pêlos de camelo foi um golpe extremamente duro para a mente religiosa, pois o camelo era considerado imundo segundo os preceitos levíticos (Lv 11:4). Além disso, João não vivia num lugar civilizado, e, sim, no deserto (Lc 3:2). Tudo isso indica que ele havia abandonado totalmente a dispensação do Antigo Testamento, a qual se havia degradado, transformando-se numa religião misturada com a cultura humana. Sua intenção era apresentar a economia neotestamentária de 43 Deus, que se constitui somente de Cristo e do Espírito da Vida . 43 LEE, Witness. Os Evangelhos: Versão Restauração. Trad. Corpo Editorial da Árvore da Vida.1° ed. São Paulo: Editora Árvore da Vida, 1999. p. 19. 43
  44. 44. O modo como viveu esse personagem, é a prova fiel e incontestável do fim das ordenanças do mosaísmo. Repudiou o seu próprio sacerdócio, contrario todo o sistema religioso de sua época, corrompido e de longa data adaptado ao Império Romano. Presenciou um governo estrangeiro opressor e a religião de seus pais corrompida pela hipocrisia, ganância e mundanismo. Desafiou o rei Herodes, e os fariseus. Era um judeu que não observava mais as práticas sacrificais e cerimoniais da lei. Desenvolveu novo modo de vida, uma vida purificada, desafortunado materialmente, contudo, era temido pela veracidade e rigor de suas palavras: ―... Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira futura? (Mt. 3: 7). Produzi pois frutos dignos de arrependimento;‖ (Mt. 3: 8). A classe sacerdotal era vista por João como animais peçonhentos. A Bíblia não menciona qualquer característica de semelhança desse personagem com seus irmãos judeus. Como, pois, João era o Anjo do Senhor que havia de vir? As escrituras afirmam: ―Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor; endireitai no ermo vereda a nosso Deus‖ (Is. 40:3). A única característica dada pelo profeta, é que seria a voz que clama no deserto, mas não descreve se o mesmo abandonaria sua religião e, muito menos seu modo de se vestir ou se alimentar, tão controverso para seu tempo e sua religião. João Batista é de forma explícita o modelo humano de como seria a graça dispensada por Jesus, no Novo Pacto (Novo Testamento). João simplesmente anunciava o fim do sacrifício cerimonial e material, que a muito tempo havia absorvido caráter diabólico: comercialização de animais no templo, filhos desonrando pais e usando o nome de Deus para justificar o desamparo, casamentos sem solidez etc. O formato de pregação dele era verdadeiras profecias, que também no intuito de fazer o povo judeu se adequar as pregações futuras que seriam do próprio Jesus. João em suas pregações manifestava o desejo de ver frutos verdadeiramente espirituais, que pudessem se arrepender. Certamente o livro mais usado para cobrar dízimos e lançar maldições sobre os não dizimistas é o do profeta Malaquias, tendo como capítulo principal o cap. 3 e Versículo 10. No entanto Malaquias é um dos principais livros esclarecedores do fim da Lei Mosaica e do início da Nova Aliança. Malaquias relata claramente três versículos referentes à vinda de João Batista, findando assim, a Antiga Aliança e iniciando uma nova, pois Jesus Cristo seria batizado por João Batista, dando início não só a redenção dos judeus, mas também dos gentios. Malaquias revela a nossa redenção: 44

×