Trabalho de sociologia

283 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
283
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho de sociologia

  1. 1. Grupo: ♣ Evair ♣ Jéssica nebott ♣ Luã lançoni ♣ Maria Eduarda ♣ Mariana ♣ Paula Oliveira ♣ Turma : 3001 C/N ♣ Disciplina: Sociologia ♣ Professor: Rudolf
  2. 2. Para os dias de hoje, a violência se tornou um dos grandes males de nossa sociedade, é através desse tipo de atitude que muitas mulheres e crianças entre outros, são violentadas (os) diariamente em nosso país, desde palavras e gestos até ações, que levam a agressão física; é neste circulo vicioso que muitos homens agridem sua família. Muita das vezes nada acontece ao agressor, as vitimas quando tomam coragem e denunciam, não são tomadas as devidas providencias contra os agressores, que continuam seus ataques. Isso tem que mudar! Introdução
  3. 3. Desenvolvimento Muitas das causas de violência nas famílias é o ciúme, tensão, alcoolismo, desrespeito, nervosismo, mas ainda assim a principal “desculpa” para tal atitude é que: Eu bati para corrigir... A agressão agora é instrumento para educar? Temos que pensar; isso acontece! Partindo daí o agressor desconta toda sua fúria em alguém próximo e que não pode se defender dos ataques. Para as mulheres hoje, temos a lei Maria da Penha que luta contra agressão as mulheres. Já para as crianças, temos o Estatuto da Criança e Adolescente. Estes instrumentos dão toda uma estrutura para a proteção com as mulheres, crianças e adolescentes. Porém, a lei apenas não é suficiente. No dia a dia isso tem que acontecer, deve-se dar mais segurança as mulheres que vão denunciar uma agressão, deve-se oferecer um local de segurança, tanto para essa mulher quanto para a criança que também é agredida.
  4. 4. Lei Maria da Penha Conhecida como Lei Maria da Penha a lei número 11.340 decretada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva em 7 de agosto de 2006; dentre as várias mudanças promovidas pela lei está o aumento no rigor das punições das agressões contra a mulher quando ocorridas no âmbito doméstico ou familiar. A lei entrou em vigor no dia 22 de setembro de 2006, e já no dia seguinte o primeiro agressor foi preso, no Rio de Janeiro, após tentar estrangular a ex-esposa.
  5. 5. O Brasil está atualmente na lista de Desenvolvimento uma das sociedades mais violentas do mundo. Temos que tomar uma atitude! Onde isso vai parar? Temos que fazer valer a lei, para que possamos dissipar grande parte desse mal em nossa sociedade. Essa epidemia que está se tornando a violência hoje, entretanto uma de suas grandes causas é o desrespeito entre os indivíduos e também a falta de responsabilidade e atitude por parte das autoridades competentes no combate a violência que na maioria das vezes se faz omissa a sua responsabilidade, esquecendo o humanismo pelo qual eles têm que proceder.
  6. 6. Conclusão As falhas são aparentes, tanto por parte dos órgãos competentes no combate a violência, quanto na falta de consciência, respeito e amor pelo próximo. Em nossa sociedade tudo hoje é prazer, ganhar, lucrar, conquistar. Caso haja alguma falha nesse entremeio é culpa do outro. Às vezes por conta de problemas no trabalho, a família acaba sendo alvo de agressão por causa de problemas que o agressor enfrentou. Mas para diminuir essa fatalidade é necessário apenas que cada um assuma a sua responsabilidade pensando assim: “não farei com o outro, aquilo que não quero que façam comigo.” Este pensamento acompanhado do diálogo é um principio básico para começar a luta contra a violência. Basta cada um assumir a sua responsabilidade.
  7. 7. “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade.” Art.5º Constituição federal do Brasil

×